Rádio Observador

Crise no GES

Altos quadros do BES ganharam dois milhões de euros com venda de ações antes do colapso do banco

2.305

Nos 12 meses anteriores à apresentação do prospeto de aumento de capital, datado de 20 de maio de 2014, dirigentes do banco venderam ações. A maior parte das operações foi realizada em 2014.

Vendas concretizadas pelos membros dos órgãos de administração e de fiscalização e quadros superiores do BES envolveram preços situados entre 81 cêntimos e 1,4 euros

MARIO CRUZ/EPA

Autor
  • João Cândido da Silva

Membros dos órgãos de administração e de fiscalização e quadros superiores do Banco Espírito Santo (BES) venderam ações da instituição financeira, nos 12 meses que antecederam a divulgação do prospeto do aumento de capital realizado em junho de 2014, e conseguiram um encaixe total superior a 1,9 milhões de euros. A informação sobre estas operações está incluída na página 84 daquele documento, datado de 20 de maio de 2014, em que se acrescenta que, durante o período considerado, nenhum daqueles altos quadros do banco procedeu a “quaisquer aquisições de ações do BES”.

Rui Pires Guerra, membro da administração do Banco Espírito Santo Angola (BESA), foi o mais ativo na alienação de posições. Entre 24 de março e 10 de abril de 2014, o gestor vendeu dois lotes de ações, de 250 mil e 189,1 mil títulos, respetivamente, o que proporcionou um encaixe de 588,4 mil euros, já que o preço de venda em ambas as situações foi de 1,34 euros por ação.

Aníbal Reis de Oliveira, presidente do conselho de administração do banco, também optou por alienar posições no capital do BES. Concretizou duas operações durante o período assinalado no prospeto, no início de outubro de 2013 e em 6 de janeiro do ano seguinte e obteve um ganho bruto de 319 mil euros. Pedro Mosqueira do Amaral, elemento da administração da instituição financeira que chegou a ser dado como possível sucessor de consenso à liderança de Ricardo Salgado, fez três operações de venda de ações. A 8 de janeiro de 2014, a 17 de fevereiro e no dia que se seguiu, fez um encaixe de 187 mil euros ao alienar 142,5 mil títulos a cotações que se situaram entre 1,23 e 1,4 euros por título.

António Rodrigues Marques, gestor da Tranquilidade, e Jorge Carvalho Martins, membro do conselho de administração do BES e da comissão executiva do banco, integram, igualmente, a lista de altos quadros do Grupo Espírito Santo (GES) que deram ordens de venda de ações. No primeiro caso, o valor obtido foi superior a 157 mil euros, enquanto no segundo as duas operações de venda efetuadas, a mais recente das quais em 18 de fevereiro de 2014, renderam 116,5 mil euros.

As vendas concretizadas, que podem ser consultadas no prospeto do aumento de capital que foi completado em junho deste ano e que rendeu 1.045 milhões de euros ao BES menos de dois meses antes de este ser alvo da intervenção do Banco de Portugal, totalizam 19 operações, 15 das quais foram consumadas em 2014. Entre os nomes de altos quadros que se desfizeram de posições incluem-se outros nomes como o de Horácio Afonso, membro do conselho de administração e presidente da comissão de auditoria do BES, e João Freixa, gestor executivo.

A informação estampada no prospeto revela que todas as operações de venda foram realizadas a preços superiores àquele que foi praticado no aumento de capital que antecedeu a cisão que transformou o BES num “banco mau” e deu origem ao Novo Banco. Na oferta pública de subscrição, o preço praticado por ação foi fixado em 65 cêntimos. As vendas concretizadas pelos membros dos órgãos de administração e de fiscalização e quadros superiores do BES envolveram preços situados entre 81 cêntimos e 1,4 euros.

Se os quadros do banco tivessem vendido as ações pelo valor que foi pedido aos acionistas que agora correm o risco de verem os investimentos reduzidos a zero, o encaixe total teria sido inferior em 873,4 mil euros. No total, os 12 protagonistas das operações em causa teriam realizado cerca de um milhão de euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)