O Lloyds Banking Group despediu oito funcionários e suspendeu prémios de três milhões de libras esterlinas (3,8 milhões de euros) pelas suas ações que conduziram à multa de 226 milhões de libras (289 milhões de euros) que o banco pagou pela manipulação das taxas Libor. O Lloyds, o segundo maior banco cotado em Londres, indicou ainda que todos os bónus dos seus empregados poderão sofrer cortes para absorver o impacto da multa nas contas de 2014. O governo britânico controla 24% do capital do banco.

“Agora que tomou ação disciplinar contra os indivíduos responsáveis pelo comportamento totalmente inaceitável identificado pelas investigações dos reguladores, o conselho e a equipa de gestão do grupo estão empenhados em prevenir que este tipo de comportamento volte a acontecer”, avisou António Horta Osório, o português que presidente ao grupo. Horta Osório, ex-presidente do Santander Totta, não estava no Lloyds na altura das manipulações, que aconteceram entre 2006 e 2009.

O comunicado do banco salienta ainda que os funcionários poderão recorrer da decisão de acordo com as políticas disciplinares do grupo. Embora oito tenham sido despedidos, quatro foram ilibados e voltaram ao trabalho. Outros dez alegados manipuladores foram identificados pelo Lloyds, mas já não são funcionários do banco. Os detalhes foram partilhados com a Financial Conduct Authority, o regulador do mercado londrino.

Roubar ao banco central

O Lloyds foi o sétimo banco a ser multado por manipulação da Libor, a taxa de juro de referência no mercado britânico, mas o primeiro a sê-lo por ter privado o Banco de Inglaterra de receitas. Quando a crise financeira atingiu o seu auge, o banco central inglês criou um mecanismo especial para fornecer liquidez às instituições financeiras. Em troca da liquidez, o Banco de Inglaterra recebia uma taxa.

Entre janeiro de 2009 e setembro de 2009, houve tentativas de corretores do Bank of Scotland e do Lloyds Bank em alterar as chamadas taxas repo, o que baixaria os custos de financiamento da casa-mãe de ambas as instituições, o Lloyds Banking Group. A poupança foi calculada em oito milhões de libras (cerca de dez milhões de euros, à cotação atual da libra).

No painel de 12 bancos que definiam a taxa repo, o Lloyds Banking Group tinha dois lugares. Na altura da comunicação da multa ao Lloyds, o governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, disse que “estas manipulações são altamente repreensíveis, claramente ilegais e podem constituir uma conduta criminosa da parte dos indivíduos envolvidos”. O Banco de Inglaterra continua a investigar várias instituições financeiras por manipulação de taxas de juro.