A jovem holandesa que viajou para a Síria para se casar com um jihadista do Estado Islâmico (EI), e que depois foi resgatada pela mãe, vai ser presente a tribunal esta sexta-feira, sob a acusação de terrorismo, segundo assegurou a porta-voz da procuradoria de Maastricht, Annemarie Kemp, citada pela Agence France-Presse (AFP).

“Desde o seu regresso, Aicha está detida, sob suspeita de crimes que ameaçam a segurança do Estado”, revelou Kemp, acrescentando que esta primeira audiência será à porta fechada. Aicha, de 19 anos, cujo nome verdadeiro é Sterlina, voltou à Holanda na quarta-feira, tendo sido imediatamente detida pelas autoridades holandesas no aeroporto de Schiphol, em Amesterdão.

De acordo com os media daquele país, a jovem ter-se-á apaixonado pelo combatente conhecido pelo nome de ‘Yilmaz’ – um ex-militar do exército holandês que se juntou ao EI para treinar outros combatentes – quando o viu na televisão. Então, Aicha contactou o seu futuro marido pela internet e tomou a decisão de viajar para a Síria em fevereiro.

No entanto, poucos meses depois, a holandesa arrependeu-se da sua decisão e pediu à mãe para regressar a casa. O resto da história é conhecido: Monique, progenitora de Aicha, viajou para a Turquia, atravessou a fronteira com a Síria e resgatou a filha das malhas da organização terrorista em Raqqa, a auto-proclamada capital do EI. Depois de conseguirem escapar, mãe e filha foram detidas na Turquia: Aicha não tinha passaporte. O Ministério Público holandês interveio no caso e tornou possível o regresso de Aicha e Monique à Holanda.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Agora, e segundo a BBC, a procuradoria de Maastrich – cidade onde mãe e filha habitam – vai propor ao juiz um prazo mais alargado para manter Aicha sob custódia, enquanto examinam as eventuais provas existentes contra a holandesa.

Fonte oficial do tribunal revelou ao mesmo canal britânico que Aicha deverá ser ouvida numa audiência pública dentro de três meses. Até lá, está proibida de falar com os media e, inclusivamente, com membros da sua família, à exceção da sua mãe.