O advogado João Araújo admite que irá representar José Sócrates no processo que levou à detenção do antigo primeiro-ministro. “Trabalho como advogado e eventualmente representarei o engenheiro José Sócrates”, disse João Araújo aos jornalistas no Campus da Justiça. Questionado sobre o que ainda será necessário para ser formalmente considerado o defensor do ex-primeiro-ministro neste processo, o advogado disse que falta “outorgar uma procuração” por parte do cliente.

José Sócrates deverá ser ouvido esta tarde pelo juiz Carlos Alexandre depois de ter sido detido ontem à noite no aeroporto quando regressava de Paris. Só depois deste interrogatório é que serão definidas as medidas de coação ao ex-primeiro ministro que é arguido por suspeita de crimes de branqueamento de capitais, fraude fiscal e corrupção.

José Sócrates, que terá passado a noite no comando metropolitano da PSP em Lisboa em Moscavide, ainda não é alvo de qualquer acusação numa investigação que está a ser conduzida pelo procurador Rosário Teixeira. De acordo com o Correio da Manhã, o ex-primeiro-ministro, acompanhava à hora de almoço buscas do Ministério Público na sua residência da rua Castilho.

Os interrogatórios aos outros três arguidos já se iniciaram. Para além do ex-primeiro-ministro foram detidos Carlos Santos Silva, ex-administrador do Grupo Lena que é amigo de longa data de Sócrates, o advogado Gonçalo Ferreira ligado a empresa de Santos Silva e o motorista João Perna.