Prémios e Galardões

“7 Pecados Rurais” vence quatro Prémios Áquila, incluindo melhor filme

"7 Pecados Rurais" venceu quatro das seis categorias de cinema dos Prémios Áquila, incluindo o prémio de melhor filme, atribuídos na noite de domingo em Lisboa, informou a organização.

TIAGO HENRIQUE MARQUES/LUSA

“7 Pecados Rurais” venceu quatro das seis categorias de cinema dos Prémios Áquila, incluindo o prémio de melhor filme, atribuídos na noite de domingo em Lisboa, informou a organização, a cargo da Fénix Associação Cinematográfica.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Fénix Associação Cinematográfica informou que João Paulo Rodrigues e Melânia Gomes venceram, respetivamente, os prémios de melhor ator e atriz principal pelos seus desempenhos em “7 Pecados Rurais”. Além do prémio de melhor filme (Cinemate/Cinecool), “7 Pecados Rurais” arrebatou o prémio de melhor realizador, conquistado por Nicolau Breyner.

Já o filme “Os Maias”, adaptação cinematográfica do romance homónimo de Eça de Queirós, conquistou os galardões de melhores ator e atriz secundários, atribuídos a João Perry e Rita Blanco.

Em televisão, Dalila Carmo venceu os prémios de melhor atriz principal com “O Beijo do Escorpião” e de melhor atriz secundária na série “Os Filhos do Rock”.

O galardão de melhor ator principal coube a Filipe Duarte, pelo desempenho em “Belmonte” e o de melhor ator secundário foi entregue a Rui Neto pelo seu trabalho em “Sol de Inverno”, produção também distinguida com o prémio de melhor telenovela.

Já na categoria de melhor série, minissérie ou telefilme “Bem-Vindos a Beirais” (SP Televisão) saiu vencedor.

A organização atribuiu ainda três Prémios Áquila especiais: O Prémio Condor (Revelação) ao luso-francês Ruben Alves, realizador de “A Gaiola Dourada”, o Prémio Fénix (Carreira), à atriz Rita Blanco, e o Prémio Excelsior à Fundação Calouste Gulbenkian, pelo apoio ao cinema e ao audiovisual.

Os prémios Áquila são uma iniciativa da Fénix Associação Cinematográfica, criada em janeiro, com o objetivo de “dinamizar e prestigiar a televisão e o cinema português”, mas todos os vencedores serão escolhidos pelos espetadores portugueses, por votação online.

Os Prémios Áquila são atribuídos em 12 categorias, como melhor realização, longa-metragem e curta-metragem, série, minissérie ou telefilme, representação masculina e feminina, em cinema e televisão.

Os 52 nomeados foram escolhidos por uma comissão composta por 50 pessoas, entre as quais a produtora Ana Costa, as atrizes Carla Chambel, Ana Zanatti e Lídia Franco, o ator Vítor de Sousa, o realizador João Garção Borges, Cristina Matos Silva, responsável pela Lisbon Film Comission, e o gestor cultural Miguel Honrado.

A cerimónia decorreu no Cinema São Jorge, em Lisboa, com apresentação de Filomena Cautela.

A votação do público foi feita através do endereço www.premiosaquila.pt, na internet.

Segundo a associação Fénix, presidida por Vasco Rosa, os Prémios Áquila são os únicos que distinguem, em simultâneo, a mais recente produção portuguesa de cinema e televisão.

 

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)