José Sócrates nega que tenha comprado uma casa em Paris, França, depois de abandonar o cargo de primeiro-ministro de Portugal, em 2011. Em carta enviada esta segunda-feira à RTP, o ex-governante, em prisão preventiva por suspeitas de fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais, afirma que a referida casa lhe foi emprestada pelo seu amigo Carlos Santos Silva, também ele detido preventivamente.

“No primeiro ano vivi num apartamento arrendado; depois, de setembro de 2012 a junho de 2013, vivi no apartamento que me foi emprestado pelo meu amigo Eng. Santos Silva, que o comprou para o restaurar, arrendar ou vender, que é a situação atual dele. Saí quando começaram as obras. No princípio deste ano, depois de uns meses a viver com a família em hotéis, arrendei outro apartamento que mantenho atualmente como minha residência em Paris”, ditou Sócrates ao seu advogado, João Araújo, por telefone.

A casa onde Sócrates morou em Paris está registada em nome de Carlos Santos Silva, mas algumas notícias recentes davam conta de que o ex-dirigente político seria o verdadeiro dono da residência, tendo pago por ela uma soma de três milhões de euros. A comunicação, a terceira desde que se encontra no estabelecimento prisional de Évora, foi motivada por uma reportagem da RTP emitida na sexta-feira, em que era mostrado o apartamento onde Sócrates habitou em Paris e se dizia que o mesmo estava atualmente à venda por quatro milhões de euros.

A RTP revelava igualmente na reportagem que a mãe de Sócrates vendera, logo após as eleições legislativas de 2011, dois apartamentos – um por 100 mil euros e outro por 75 mil. O ex-governante também refuta essas informações.

“A minha mãe vendeu, na altura com ajuda do meu irmão, dois – não um, como afirma a peça – apartamentos pelo valor total de 100 mil euros e não, como afirmam, um por aquele preço”, diz Sócrates, que, um pouco mais à frente, assegura que “o preço por que [a mãe] o vendeu foi o preço justo que resultou de uma avaliação”. A reportagem da RTP afirmava que, consultados promotores imobiliários, a referida casa tinha sido vendida por um valor muito superior ao de mercado.

A carta do ex-primeiro-ministro foi ditada durante o fim de semana, mas Sócrates terá pedido a João Araújo que apenas a divulgasse esta segunda-feira para não perturbar os trabalhos do Congresso do Partido Socialista. Depois deste breve silêncio, contudo, o antigo líder do Governo promete continuar a divulgar a sua versão dos factos.