Os Reis Magos, caso tenham existido, poderão ter pertencido a uma tribo de sacerdotes ou de astrónomos. Em qualquer dos casos, seriam amantes e conhecedores do céu e dos astros. No entanto, não há nenhum fenómeno celeste conhecido até ao momento que pudesse ter guiado os Reis Magos após o nascimento de Cristo, nem nesse ano nem nos anos que se seguiram.

Se transportássemos os Reis Magos para o presente e lhes pedíssemos que seguissem um ponto brilhante no céu deste mês de janeiro iam ter certamente uma tarefa dificultada, já que todos os planetas vão estar visíveis. E se estivessem a contar que a chuva de meteoros das Quadrântidas ajudasse também não teriam sorte, o brilho da Lua cheia vai dominar o céu nos primeiros dias de janeiro.

fases_lua_janeiro

@ Milton Cappelletti

Não fosse o brilho intenso da Lua que se mostrará completamente cheia a 5 de janeiro, enchendo o céu de luz, e os primeiros dias do ano seriam presenteados com uma bela chuva de estrela cujo pico é dia 4, às 2 horas, com um máximo de 120 meteoros por hora. “As Quadrântidas são umas das melhores chuvas de meteoros no hemisfério norte, mas são pouco conhecidas em razão da sua atividade ser muito curta, com uma duração de visibilidade de apenas cinco dias, entre 1 a 5 de janeiro”, explica ao Observador o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, lembrando da dificuldade deste ano.

A chuva de meteoros das Quadrântidas tem origem nos fragmentos do cometa Machholz – com uma órbita de cinco anos – e são visíveis no céu num local em tempos designado por constelação Quadrans Muralis. “A Quadrante Mural foi criada em 1795 pelo astrónomo Jérôme Lalande, mas foi posteriormente abandonada pela Associação Internacional de Astronomia”, refere o OAL. “O radiante da chuva [ponto onde parece surgir no céu] é próximo da Ursa Maior, entre as constelações do Dragão e do Boieiro.”

Ceu visivel as 02 horas do dia 04-01-2015 em Lisboa mostrando o radiante das Quadrantidas_OAL

Céu visível dia 4 de janeiro às 2 horas, em Lisboa, mostrando o radiante das Quadrântidas – Observatório Astronómico de Lisboa, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Mas se a chuva de estrelas será difícil de ver, já os planetas estarão bem mais visíveis – de Mercúrio a Júpiter a olho nu e Úrano e Neptuno só com telescópio. Durante a noite procure Marte, o planeta vermelho, próximo a constelação Capricórnio a sudoeste ou Júpiter na constelação Leão. Para ver Úrano ou Neptuno no céu noturno aponte o telescópio para a constelação Peixes ou Aquário, respetivamente.

Olhando para este antes do nascer do Sol verá Saturno como “estrela da manhã”, primeiro na constelação de Balança, e a partir de meados do mês na constelação de Escorpião. Durante a tarde, e a oeste, Vénus aparece como “estrela da tarde”, muito brilhante como lhe é característico, e Mercúrio também aparece brilhante antes do final do crepúsculo.

Janeiro 2015

@ Andreia Reisinho Costa