Abandonado, sem tribulação e com perto de 450 de imigrantes ilegais a bordo. Foi neste estado que a Guarda Costeira italiana detetou na noite de quinta-feira um navio mercado, a cerca de 150 quilómetros de Crotone, cidade localizada na costa sudoeste do país. As autoridades, aliás, terão sido alertadas por um passageiro, que utilizou o rádio do navio para pedir auxílio: “Estamos sem tripulação, a dirigimo-nos à costa e não há ninguém que pegue no leme.” A Guarda Costeira já conseguiu tomar o controlo do navio.

A embarcação, chamada “Ezadeen” e com bandeira da Serra Leoa, medirá aproximadamente 60 metros de comprimento, escreveu o La Reppublica. O tripulante que falou através do rádio, que não se identificou, revelou também que há crianças e cerca de 30 mulheres a bordo. As condições climatéricas, que causaram vento e ondulação forte na região, obrigaram a Guarda Costeira italiana a utilizar um helicóptero, da Força Aérea, para colocar a operacionais a bordo do Ezadeen.

Filippo Marini, capitão do navio da Guarda Costeira que comanda as operações, disse à Sky italiana que a embarcação já navega a uma velocidade de três nós — perto de seis quilómetros por hora –, pois as condições do mar “não são boas”.

O diário italiano avançou que seria seis os homens içados para a embarcação, provenientes dos portos de Taranto e Gallipoli — três deles médicos. Além de auxiliar as pessoas que estão a bordo do navio, a prioridade era também evitar que a embarcação continuasse a navegar rumo à costa italiana.

A Guarda Costeira italiana começou por pedir auxílio a um navio islandês, o Tyr, que navegava perto do local em missão para a Frontex, agência da União Europeia para a gestão das fronteiras, noticiou o The Guardian. Este navio tinha três médicos a bordo.

Esta é a segunda vez, esta semana, que as autoridades italianas têm de resgatar um navio que transportava imigrantes ilegais. Na quarta-feira, um navio com bandeira da Moldávia enviou um pedido de ajuda quando navegava perto da ilha grega de Corfu, depois de a tripulação também abandonar o navio. Mais de 970 imigrantes ilegais se encontravam a bordo.