Rádio Observador

Panteão Nacional

Assembleia da República prepara transladação de Eusébio para o Panteão Nacional

108

Deputados vão fechar esta semana um projeto de resolução para o corpo de Eusébio ser transladado para o Panteão. Benfica considera que decisão está "nas mãos" dos deputados.

Parlamento está a preparar a transladação de Eusébio para o Panteão

Laurence Griffiths/Getty Images

Um ano depois da morte de Eusébio, um dos melhores jogadores da história de futebol, um grupo de deputados está a ultimar a proposta para transladar o corpo para o Panteão Nacional. Esta iniciativa foi sugerida logo após o falecimento do benfiquista, mas a sua concretização vai acontecer até ao fim desta semana, segundo apurou o Observador. O Benfica considera que esta é uma iniciativa, que por ser “tão consensual”, está nas mãos da Assembleia da República.

A proposta de transladação de Eusébio para o Panteão Nacional está a ser ultimada por um grupo de deputados no Parlamento, procurando reunir o maior número de apoios possível tanto à esquerda como à direita. O Observador sabe que os deputados têm vindo a tentar reunir apoios “de forma discreta”, segundo relatou fonte parlamentar. A proposta deverá ser apresentada já esta quarta-feira na conferência de líderes que reúne as várias bancadas parlamentares ou será ultimada até ao fim da semana e apresentada posteriormente.

No ano passado, a questão da transladação do futebolista foi discutida entre os líderes parlamentares e foi um tema consensual entre todos os partidos, no entanto, a proposta só pode ser feita um ano após o falecimento da figura de relevo a transladar para o Panteão Nacional – que acolhe algumas das personagens mais relevantes da história do país. A conferência de líderes, mediante a apresentação do projeto de resolução, deve então marcar uma data para a aprovação desta transladação em plenário.

A última transladação para este monumento foi a da poetisa Sophia de Mello Breyner Andresen. O projeto de resolução foi apresentado pelo PSD e pelo PS no dia 14 de fevereiro de 2014 e aprovado por unanimidade a 20 de fevereiro – a cerimónia viria a ocorrer em julho. Um dos proponentes desta transladação foi o deputado social-democrata, Nuno Encarnação, que disse ao Observador que cabe “normalmente” aos deputados este tipo de iniciativas.

O Benfica partilha esta opinião e por isso não pretende apresentar qualquer iniciativa para promover a integração do antigo jogador entre as figuras do Panteão Nacional. “Aquando da morte de Eusébio, a iniciativa das transladação foi tão consensual que o Benfica considera que esta decisão está nas mãos dos deputados da nação”, respondeu fonte oficial do clube ao Observador.

Após a aprovação da transladação em plenário, é constituído um grupo de trabalho composto por representantes de cada grupo parlamentar com a incumbência de “determinar a data, definir e orientar o programa da trasladação, em articulação com as demais entidades públicas envolvidas”, segundo estabeleceu Assunção Esteves em Diário da República no caso da poetisa Sophia de Mello Breyner.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Panteão Nacional

O Panteão não é para todos? /premium

Paulo de Almeida Sande

Não, o Panteão não pode ser para todos. Primeiro porque não caberíamos lá (mas isso resolve-se). E porque se todos fossemos para o Panteão é como se ninguém fosse para o Panteão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)