O documentário “Alentejo, Alentejo”, de Sérgio Tréfaut, é exibido esta terça-feira, na Culturgest, em Lisboa, depois de um périplo por mais de 50 localidades, assinalando a edição em DVD e o lançamento da banda sonora, dedicada ao cante alentejano.

“Alentejo, Alentejo”, premiado no IndieLisboa e na Colômbia, regista vários grupos polifónicos alentejanos, masculinos e femininos, mas sublinha ainda a importância do cante na própria identidade e vida quotidiana dos alentejanos. O documentário, dedicado a um canto polifónico que é já Património Imaterial da Humanidade, teve estreia comercial em 2014 e, desde então, tem sido exibido em sessões especiais pelo país.

Sérgio Tréfaut rodou esta longa-metragem depois de ter feito um curto filme, a convite da autarquia de Serpa, sobre o cante alentejano, por causa da candidatura a Património Imaterial da Humanidade. O realizador filmou grupos corais como as Papoilas do Corvo e o Grupo do Sindicato Mineiro de Aljustrel, assim como formações corais mais recentes, como Os Bubedanas de Serpa.

As filmagens foram feitas em várias localidades do Alentejo – Castro Verde, Cuba, Vidigueira, Baleizão ou Aljustrel – e misturam curtos depoimentos dos cantores com interpretações vocais, em situações informais e do quotidiano, como, por exemplo, à mesa e na confeção de uma açorda.

Na sessão desta terça-feira, marcada para as 20h30, vão estar presentes o realizador e cantadores de Serpa e de Pias.

“Alentejo, Alentejo” continuará a digressão de exibições pelo país, estando confirmadas já sessões em Sintra, Ovar, Barreiro, Guarda e Belmonte, entre outras localidades.

O cante alentejano foi classificado como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), a 27 de novembro, em Paris. De acordo com a candidatura portuguesa, o cante era sobretudo interpretado por classes trabalhadoras, consideradas rurais e camponesas no passado, mas que eram protoindustriais ou industriais, porque trabalhavam na agricultura com máquinas ou em explorações mineiras. O grupo Os Mineiros de Aljustrel, formado em 1926, é considerado o primeiro grupo coral de cante alentejano.

A propósito daquela classificação internacional, a Câmara Municipal de Beja declarou 2015 como Ano Municipal do Cante Alentejano, com iniciativas para promover esta prática social e cultural.