Procriação Medicamente Assistida

Parlamento discute inseminação “post mortem”

Projetos do PS e do BE discutidos esta quarta pretendem, entre outras medidas, alargar acesso a todas as mulheres, independentemente do diagnóstico de infertilidade ou do estado civil.

PS e BE querem facilitar o recurso a técnicas de reprodução assistida

GEORGES GOBET

O Parlamento discute esta quarta-feira dois projetos de lei do PS e BE que visam alargar o acesso à Procriação Medicamente Assistida (PMA), com os socialistas a prescindirem do diagnóstico de infertilidade e os bloquistas a pretenderem as técnicas para todos.

As duas iniciativas, que vão a plenário na próxima quarta-feira, visam alterar a lei a PMA, em vigor desde 2006, ficando de fora o tema da gestação de substituição.

De acordo com o projeto de lei do PS, a atual legislação, “ao edificar critérios de acesso às técnicas de PMA assentes estritamente no estado civil e orientação sexual das beneficiárias, opera uma discriminação que dificilmente se mostra compatível com a garantia do princípio da igualdade”.

Contudo, o PS propõe a manutenção dos critérios para os beneficiários: “Só as pessoas casadas que não se encontrem separadas judicialmente de pessoas e bens ou separadas de facto ou as que, sendo de sexo diferente, vivam em condições análogas às dos cônjuges há pelo menos dois anos podem recorrer a técnicas de PMA”.

A mudança proposta pelos socialistas passa eliminação das condições de admissibilidade, que até agora são o “diagnóstico de infertilidade ou ainda, sendo caso disso, para tratamento de doença grave ou do risco de transmissão de doenças de origem genética, infeciosa ou outras”.

Por outro lado, admite a inseminação post mortem, ou seja, permite a inseminação com material genético de um homem que já morreu. Isto, desde que haja documento da pessoa a atestar que era essa a sua vontade – “que tal corresponda a um projeto parental previamente consentido pelo dador”.

O Bloco de Esquerda, por seu lado, defende que “as técnicas só podem ser utilizadas em benefício de quem tenha, pelo menos, 18 anos de idade e não se encontre interdito ou inabilitado por anomalia psíquica”.

Os bloquistas propõem, desta forma, o fim da obrigatoriedade das pessoas serem “casadas ou não se encontrarem separadas judicialmente de pessoas e bens ou separadas de facto ou as que, sendo de sexo diferente, vivam em condições análogas às dos cônjuges há pelo menos dois anos”.

Em relação à inseminação com sémen de dador, a atual lei refere que esta técnica “de um terceiro dador só pode verificar-se quando, face aos conhecimentos médico-científicos objetivamente disponíveis, não possa obter-se gravidez através de inseminação com sémen do marido ou daquele que viva em união de facto com a mulher a inseminar”.

PS e BE estão, nesta matéria, de acordo, defendendo a inseminação com sémen de um terceiro dador quando não se possa obter gravidez de outra forma.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ciência

E se puder mudar geneticamente o seu futuro filho?

Alexandre Guerra

É bom relembrar que no Reino Unido, à semelhança do que sucede noutros países, este tipo de investigação genética só é possível em embriões criados para fertilização in vitro que não foram utilizadosg

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)