Energia

Petróleo vai chegar aos 20 dólares por barril, diz o Citi

Excesso de oferta e pouca procura vão manter os preços sob pressão. Analistas do Citi dizem que é "impossível" dizer até onde podem cair os preços, mas admitem que a cotação pode descer aos 20 dólares

Getty Images

O preço do petróleo em Nova Iorque poderá cair até aos 20 dólares por barril este ano, fruto do excesso de produção global e de uma desaceleração da procura. A estimativa é de uma equipa de analistas do Citi, que reviu em baixa a estimativa de preço médio do petróleo em Londres, referência para Portugal, de 63 para 54 dólares.

“O mercado petrolífero deverá atingir o fundo entre o final do primeiro trimestre e o início do segundo trimestre a um preço significativamente inferior à banda dos 40 dólares por barril”, escreve o Citi em nota enviada aos clientes na segunda-feira. A equipa de analistas liderada por Ed Morse diz que “é impossível dizer exatamente onde está o fundo, mas este pode, devido ao excesso de oferta e às questões económicas relacionadas com o armazenamento, descer para menos de 40 dólares no WTI [petróleo negociado em Nova Iorque], talvez mesmo até à região dos 20 dólares durante algum tempo“.

Esta terça-feira, os preços do petróleo estão a cair mais de 1% tanto em Londres como em Nova Iorque. O petróleo norte-americano está a cair 1,44% para 52,11 dólares por barril.

Petróleo em Nova Iorque volta a negociar acima dos 50 dólares

wti

O Citi diz que o petróleo de Nova Iorque poderá cair até à região dos 20 dólares por barril nos próximos meses. Fonte: Bloomberg

 

O Citi voltou, neste relatório, a reduzir as estimativas para o preço do petróleo. No início do ano o banco de investimento apontava, no caso do Brent, para que o preço oscilasse, em média, nos 63 dólares por barril em 2015, admitindo um cenário mais negro em que o preço poderia cair para os 55 dólares. Neste relatório, o Citi coloca a previsão central – a mais provável, aos seus olhos – em 54 dólares, ou seja, um valor inferior ao cenário negro que previa no início do ano.

Em Londres, a cotação está esta terça-feira a descer 1,13% para 57,68 dólares, tendo-se afastado do mínimo de 46,59 dólares fixado a 13 de janeiro.

Crude londrino recupera de mínimos do início do ano

brent

O petróleo negociado em Londres, que serve de referência para Portugal, está a cotar acima de 57 dólares, mas o Citi acredita que o preço será em 2015, em média, de 54 dólares. Fonte: Bloomberg

 

O Citi diz que, depois desse fundo que poderá chegar à casa dos 20 dólares, “os mercados devem começar a equilibrar-se, primeiro com uma diminuição da acumulação de stocks e, mais tarde, com um período de redução de inventários”. Mas não é expectável que o petróleo continue a subir, dizem os especialistas.

É certo que “o fornecimento de crude por parte de membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), como a Venezuela e a Nigéria, irá eventualmente cair, porque cerca de metade da produção petrolífera no mundo não é sustentável com preços abaixo de 50 dólares por barril”. Mas, diz o Citi, “com países como o Brasil, a Rússia e o Iraque a extraírem níveis de petróleo recorde, o fornecimento de petróleo deverá continuar a ser abundante já que com preços acima dos custos operacionais, não há grandes razões para reduzir a produção“.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)