Rádio Observador

Energia

Petróleo vai chegar aos 20 dólares por barril, diz o Citi

Excesso de oferta e pouca procura vão manter os preços sob pressão. Analistas do Citi dizem que é "impossível" dizer até onde podem cair os preços, mas admitem que a cotação pode descer aos 20 dólares

Getty Images

O preço do petróleo em Nova Iorque poderá cair até aos 20 dólares por barril este ano, fruto do excesso de produção global e de uma desaceleração da procura. A estimativa é de uma equipa de analistas do Citi, que reviu em baixa a estimativa de preço médio do petróleo em Londres, referência para Portugal, de 63 para 54 dólares.

“O mercado petrolífero deverá atingir o fundo entre o final do primeiro trimestre e o início do segundo trimestre a um preço significativamente inferior à banda dos 40 dólares por barril”, escreve o Citi em nota enviada aos clientes na segunda-feira. A equipa de analistas liderada por Ed Morse diz que “é impossível dizer exatamente onde está o fundo, mas este pode, devido ao excesso de oferta e às questões económicas relacionadas com o armazenamento, descer para menos de 40 dólares no WTI [petróleo negociado em Nova Iorque], talvez mesmo até à região dos 20 dólares durante algum tempo“.

Esta terça-feira, os preços do petróleo estão a cair mais de 1% tanto em Londres como em Nova Iorque. O petróleo norte-americano está a cair 1,44% para 52,11 dólares por barril.

Petróleo em Nova Iorque volta a negociar acima dos 50 dólares

wti

O Citi diz que o petróleo de Nova Iorque poderá cair até à região dos 20 dólares por barril nos próximos meses. Fonte: Bloomberg

 

O Citi voltou, neste relatório, a reduzir as estimativas para o preço do petróleo. No início do ano o banco de investimento apontava, no caso do Brent, para que o preço oscilasse, em média, nos 63 dólares por barril em 2015, admitindo um cenário mais negro em que o preço poderia cair para os 55 dólares. Neste relatório, o Citi coloca a previsão central – a mais provável, aos seus olhos – em 54 dólares, ou seja, um valor inferior ao cenário negro que previa no início do ano.

Em Londres, a cotação está esta terça-feira a descer 1,13% para 57,68 dólares, tendo-se afastado do mínimo de 46,59 dólares fixado a 13 de janeiro.

Crude londrino recupera de mínimos do início do ano

brent

O petróleo negociado em Londres, que serve de referência para Portugal, está a cotar acima de 57 dólares, mas o Citi acredita que o preço será em 2015, em média, de 54 dólares. Fonte: Bloomberg

 

O Citi diz que, depois desse fundo que poderá chegar à casa dos 20 dólares, “os mercados devem começar a equilibrar-se, primeiro com uma diminuição da acumulação de stocks e, mais tarde, com um período de redução de inventários”. Mas não é expectável que o petróleo continue a subir, dizem os especialistas.

É certo que “o fornecimento de crude por parte de membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), como a Venezuela e a Nigéria, irá eventualmente cair, porque cerca de metade da produção petrolífera no mundo não é sustentável com preços abaixo de 50 dólares por barril”. Mas, diz o Citi, “com países como o Brasil, a Rússia e o Iraque a extraírem níveis de petróleo recorde, o fornecimento de petróleo deverá continuar a ser abundante já que com preços acima dos custos operacionais, não há grandes razões para reduzir a produção“.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)