806kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Obama pede autorização ao Congresso para usar forças militares contra o Estado Islâmico

Este artigo tem mais de 5 anos

O pedido foi realizado esta quarta-feira na Casa Branca. A ação deverá ser concluída num período de três anos e não envolve o envio de tropas terrestres para o Iraque e Síria.

Estavam presentes no anúncio o vice-presidente Joe Biden, o secretário de Estado John Kerry e o secretário de Defesa Chuck Hagel.
i

Estavam presentes no anúncio o vice-presidente Joe Biden, o secretário de Estado John Kerry e o secretário de Defesa Chuck Hagel.

Getty Images

Estavam presentes no anúncio o vice-presidente Joe Biden, o secretário de Estado John Kerry e o secretário de Defesa Chuck Hagel.

Getty Images

O Presidente norte-americano Barack Obama pediu autorização ao Congresso do país esta quarta-feira para usar forças militares na guerra contra o Estado Islâmico (EI), avança a CNN. Obama afirmou que a aprovação “fortalecerá os Estados Unidos na luta contra o EI”. “Não tenham dúvidas de que essa é uma missão difícil e continuará difícil por algum tempo. Mas a nossa coligação está na ofensiva e o EI está na defensiva. O EI vai ser derrotado”, afirmou.

Esta é a primeira vez que uma autorização de guerra é solicitada aos congressistas desde que George W. Bush iniciou a guerra do Iraque em 2002. O pronunciamento foi feito na Casa Branca, no qual também estiveram presentes o vice-presidente Joe Biden, o secretário de Estado John Kerry e o secretário de Defesa Chuck Hagel.

O pedido de Obama foi realizado através de uma carta ao Congresso e um projeto de legislação que serviria de base legal para as operações. O documento prevê que as ações deverão ser concluídas num período de três anos, a menos que haja uma nova autorização, e não limita o âmbito geográfico das operações. “Se não for controlado, o EI representará uma ameaça para além do Médio Oriente, incluindo a pátria americana”, disse. Obama deverá informar o Congresso sobre o desenvolvimento da ação a cada seis meses.

O Presidente americano deixou claro que o uso de forças militares contra o EI não inclui o envio de tropas terrestres para o Iraque e Síria. “Estou convencido que os Estados Unidos não devem voltar a outra guerra terrestre no Oriente Médio – não é do interesse da nossa segurança nacional e não é necessário para que possamos derrotar o EI”, afirmou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os partidos democrata e republicano apoiaram a autorização da ação militar, mas demonstraram preocupações diferentes sobre o assunto, conforme avança o Wall Street Journal. Enquanto os democratas defendem limitações relacionadas ao envio de tropas e número de militares envolvidos na operação, os republicanos acreditam que a autorização seja o início de um processo de mudança da legislação para proteger o país contra o grupo terrorista.

O canal CNN disponibilizou o vídeo do discurso de Obama sobre o Estado Islâmico.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO