Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ainda se lembra da cratera de 80 metros de diâmetro descoberta em julho na Sibéria? Pouco tempo depois encontraram-se mais duas, mas afinal são dezenas delas. Entre as várias teorias possíveis, como a queda de um meteorito ou uma explosão de gás subterrâneo, a mais plausível parece ser o rápido derretimento do gelo causado pelo aumento global da temperatura, segundo a National Geographic.

A hipótese do meteorito foi rapidamente descartada, mas a hipótese de uma explosão de gás parecia viável. Por um lado, porque a região da península de Iamal, onde foram as duas primeiras crateras, está localizada sobre a importante zona de produção de gás da Rússia. Por outro, porque o perímetro das crateras parecia ter terra como se resultasse de uma explosão. Outra hipótese, também avançada em agosto de 2014 propunha que o gelo tivesse derretido, mais propriamente o colapso de um monte de terra coberto de gelo (pingo).

Agora, mas ainda sem certezas absolutas, os investigadores avançam uma possível combinação das duas hipóteses. As temperaturas anormalmente altas na Sibéria em alguns momentos durante o último ano podem ter feito com que o gelo derretesse, mas só por si não parecia explicar as crateras, refere a National Geographic. Mas aumento da temperatura do permafrost – uma camada de solo que se mantém por mais de dois anos abaixo de zero graus Celsius – pode justificar a libertação brusca de gás, explica Carolyn Ruppel, líder do projeto norte-americano para a Pesquisa Geológica de Hidratos de Gás, e o colapso dos pingos formando as crateras.

Embora ainda ninguém tenha sido ferido ou tão pouco assistido a uma das explosões, o tamanho das crateras deixa antever que poderão ser grandes explosões. A falta de conhecimento sobre o fenómeno deixa os investigadores receosos até de explorar as crateras, refere o Washington Post. Ninguém sabe quando uma nova explosão pode acontecer. Além disso, o gás libertado (metano) é altamente inflamável.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

https://www.youtube.com/watch?v=2kMs05VaOfE&feature=youtu.be

Vídeo da primeira cratera encontrada