O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços (CESP) voltou a acusar a administração do Pingo Doce de “repressão” e “pressão psicológica” sobre os funcionários, anunciando que vai recorrer judicialmente das “dezenas de processos disciplinares” instaurados.

“Nos últimos meses e, mais recentemente, em algumas lojas do Pingo Doce no Porto e Grande Porto, têm vindo a instaurar processos disciplinares aos trabalhadores que têm tido quebras de caixa no final de um dia de trabalho”, sustentou a dirigente sindical Natália Pinto.

Segundo a responsável sindical, que falava durante uma ação de protesto frente ao supermercado Pingo Doce na rua de Passos Manuel, no Porto, “só nesta loja foram instaurados quatro processos disciplinares nos últimos dias”.

“Basta que qualquer trabalhador tenha uma pequena quebra de caixa no final do dia para logo lhe ser aplicada uma advertência, muitas vezes sem a instauração do processo disciplinar, não lhe dando hipótese de defesa”, sustentou.

Considerando que “estas iniciativas por parte da empresa são ilegais”, Natália Pinto recorda que o contrato coletivo do setor “diz na cláusula 21.ª que, não havendo pagamento do abono para falhas [como acontece no Pingo Doce], é da inteira responsabilidade da empresa assumir as quebras verificadas na caixa”.

Nestes sentido, o CESP anunciou que irá dar entrada com uma ação em tribunal “para fazer reverter estes castigos aplicados aos trabalhadores” e “acionar” a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) relativamente a esta situação.

O sindicato reclama ainda uma reunião com a administração do Pingo Doce para “exigir que pare com os processos disciplinares”.

Para o CESP, esta “atitude prepotente por parte de algumas chefias do grupo” resulta do “aumento da pressão existente nas lojas por manifesta falta de pessoal”, já que, nos últimos anos, “não foram renovados muitos contratos de trabalho e não admitiram novos trabalhadores para as lojas”.

Como resultado da consequente “dificuldade em se gerir os horários de trabalho dos trabalhadores das lojas”, diz, tem-se criado um “clima repressivo” que causa grande “pressão psicológica” aos funcionários.

“Mudam horários a toda a hora, na base de ameaças e pressão psicológica, porque não têm ninguém para trabalhar, são sempre os mesmos e os mesmos não podem fazer tudo”, sustentou, acusando a empresa de “contabilizar todos os minutos de atraso” dos funcionários para, assim que seja atingido o período de um dia de trabalho, ser determinado um dia de “falta injustificada”.

“A situação começou já no ano passado, mas desde o início deste ano está a ser insustentável, com processos disciplinares a toda a hora, por variadíssimas razões”, afirmou Natália Pinto.

Quanto aos trabalhadores, disse, “todos têm medo de ser despedidos”, pelo que “a maior parte acobarda-se face a qualquer medida que a empresa tome”.

Segundo o também dirigente do CESP Jorge Pinto, este “clima de repressão” é hoje comum a todo o setor: “Assiste-se hoje, na grande distribuição, a pressões enormíssimas, porque apesar do alargamento do horário de abertura das lojas diminuíram drasticamente as pessoas”, disse.

“Os trabalhadores hoje estão altamente limitados de reivindicar o que quer que seja no seu local de trabalho. Estamos quase a regressar ao antes do 25 de abril dentro das empresas, porque há repressão e medo e, como não há oferta de emprego, as pessoas comem e calam”, afirmou o responsável sindical.

Com o processo negocial em torno do contrato coletivo de trabalho do setor atualmente em fase inicial, Jorge Pinto garante que o sindicato “tudo fará para chegar a um acordo”, mas admite que, não se alcançando um consenso, “ou na Páscoa ou no 25 de abril o setor poderá, eventualmente, fazer um dia de greve”.

Em resposta à agência Lusa, a fonte oficial do Pingo Doce refutou de “forma veemente as acusações de repressão sobre os seus colaboradores”, garantindo que a empresa se rege “por princípios firmes de respeito pelos direitos dos seus colaboradores, conforme o Código de Conduta em vigor”.

“Tais princípios aplicam-se em todas as vertentes da relação laboral, nomeadamente no âmbito do exercício do poder disciplinar, em observância da lei aplicável”, acrescenta a mesma resposta enviada por escrito à Lusa.