Comportamento

O cérebro masculino está programado para escolher sexo em vez de comida

2.131

Os machos são capazes de ignorar a fome e ir à procura de um par. Um estudo de uma universidade americana comprovou que entre um prato de comida e uma parceira, eles correm atrás da parceira.

Getty Images

Um estudo levado a cabo pela University of Rochester Medical Center explica como pequenas mudanças no circuito cerebral podem ditar diferenças comportamentais entre o sexo masculino e feminino. Os machos preferem sexo a comida, mas a culpa não é deles, é do cérebro. Pelo menos no caso dos vermes.

Extrapolando para o caso dos homens, o professor assistente Douglas Portman disse ao The Telegraph que “embora saibamos que o comportamento humano é influenciado por inúmeros fatores, incluindo normas culturais e sociais, estas descobertas apontam para mecanismos biológicos básicos que podem não só ajudar a explicar algumas diferenças de comportamento entre homens e mulheres, mas também o porquê de diferentes sexos serem mais suscetíveis a determinado tipo de doenças neurológicas.”

A investigação passou por olhar para um nemátodo microscópico chamado C. elegans — um animal vermiforme, que pode ter dois géneros: hermafrodita ou macho, e que é um poderoso sistema de modelo, em que as técnicas genéticas e celulares são facilmente aplicáveis. Os cientistas focaram-se nos neurónios chamados AWA (sensoriais), que estão fortemente ligados à fome e à busca de uma parceira.

Os investigadores colocaram os bichos em placas de Petri e deram-lhes comida, dando-lhes a opção de se alimentarem ou procurarem uma parceira. Alguns dos vermes foram geneticamente modificados para se tornarem mais sensíveis ao cheiro da comida, através da manipulação dos seus neurónios. E provou-se que os vermes normais (não modificados) ignoraram a sua comida e foram à procura de um par.

No entanto, os vermes que foram geneticamente modificados para se tornarem mais “esfomeados” provaram ser dez vezes menos bem-sucedidos em encontrar parceiras, uma vez que quiseram ficar sempre perto da comida. Já os vermes hermafroditas nada fizeram, limitando-se a ficar quietos e à espera junto à comida.

O estudo publicado na revista científica Current Biology sugere assim que os vermes normais foram capazes de ignorar ou até suprimir a fome que sentiam em detrimento de encontrar uma companheira. Segundo Douglas Portman, “estas descobertas mostram que ao sintonizar as propriedades de uma única célula, podemos mudar o comportamento”.

Ou seja, para que os machos começassem a dar prioridade à comida e não ao sexo, era preciso que fossem geneticamente alterados, e isso faria com que deixassem de ser machos normais, pelo menos na sua essência. Portanto, o melhor mesmo é aceitá-los como eles são.

Este artigo foi corrigido às 18h45 depois do alerta feito por três leitores, a quem agradecemos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comportamento

As sensibilidades demonstrativas /premium

Paulo Tunhas

Um político pode fazer a ponte entre as profundidades expressivas do seu Eu, colocadas no centro de tudo, e o seu discurso sobre a sociedade. Bastará sublinhar a radicalidade emocional deste último.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)