O Parlamento Europeu pediu esta quarta-feira à Turquia que reconheça o genocídio levado a cabo pelas tropas do Império Otomano ao povo arménio durante a Primeira Guerra Mundial, conta o ABC. A notícia surge três dias depois de o Papa Francisco ter utilizado o termo “genocídio” para descrever as cerca de 1,5 milhões de mortes que ocorreram entre 1915 e 1922. Foi a primeira vez que a Igreja Católica utilizou o termo.

Elmar Brok, líder dos populares europeus, afirmou que a Turquia deve reconhecer que houve um genocídio, e que, tal como os alemães classificaram os crimes do regime nazi contra os judeus de “genocídio”, também é este o termo que deve classificar as 1,5 milhões de mortes no Império Otomano.

O alemão socialista Knut Fleckenstein também defendeu que se há genocídio, o termo deve ser utilizado corretamente e que se este conceito era válido para outros países, também era para a Turquia. Fleckenstein disse também que se o país reconhecer esta realidade, vai ser possível levar para “outro nível” as relações entre a Turquia e a Arménia.

O conservador britânico Charles Tannok também insistiu para que Turquia reconheça o genocídio e Jean-Marie Cavada, porta-voz dos liberais, disse que é preciso mais do que pedir desculpa às vítimas, como fez, no ano passado, Recep Tayyip Erdogan, o então primeiro-ministro turco e agora presidente do país.

A 24 de abril, a Arménia vai assinalar o centésimo aniversário das 1,5 milhões de mortes na capital, Iereven, mas a Turquia nunca reconheceu a tragédia como genocídio. Depois de o Papa ter utilizado o termo para descrever os atos do Império Otomano, o ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Mevlut Cavusoglu, escreveu no Twitter que as declarações estavam “desligadas dos factos históricos e de uma base legal”, considerando-as “simplesmente inaceitáveis”. O primeiro-ministro Ahmet Davutoğlu também reagiu, dizendo publicamente que as palavras tinham sido “inapropriadas”.