Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A corrida para Belém começou esta quarta-feira para Sampaio da Nóvoa, mas, antes dele, já outros candidatos se tinham feito à estrada. Ao Observador, Henrique Neto e Paulo Morais falaram dos primeiros dias de pré-campanha eleitoral, dos apoios e dificuldades, sem nunca esquecer um detalhe fundamental: como esperam conseguir financiamento para chegarem até à Presidência.

Os três apresentam-se nestas eleições como candidatos independentes – um trilho antes percorrido, por exemplo, por Maria de Lurdes Pintassilgo, Manuel Alegre ou Fernando Nobre. Este último, em declarações ao Observador, já tinha denunciado aquilo que acredita ser um sistema “minado” que acaba por “triturar” qualquer candidatura independente, descrevendo mesmo como uma “tarefa quase impossível” que alguém consiga conduzir uma campanha vencedora “com menos de 1 milhão de euros” – uma meta inalcançável para quem não tem apoio partidário, sentenciou.

Ora, e como pensam Henrique Neto e Paulo Morais contrariar as probabilidades? O ex-deputado do PS já pôs em marcha uma “campanha de recolha de fundos” usando como veículo a associação que criou para o efeito, “Faz o Futuro Connosco”. Através da associação, os interessados vão poder contribuir com um “mínimo de 10 e num valor máximo de 100 euros” de quota mensal até dezembro. No final da campanha eleitoral, os sócios “decidirão se terminam com a associação” ou se a mantêm, explicou ao Observador o candidato.

Já Paulo de Morais, professor universitário e ex-vice-presidente da Câmara do Porto, admitiu que a sua campanha “será modesta” – estima gastar apenas “200 mil euros” – até porque, ao contrário das outras campanhas, a sua “não terá atividades circenses”. “Teremos duas sedes, uma no Porto outra em Lisboa. Quando estiverem marcadas as eleições será apresentada uma campanha de recolha de fundos, mas só serão aceites contributos de pessoas até 100 euros”, contou ao Observador.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O ex-vice-presidente do TIAC – Transparência e Integridade, Associação Cívica explicou, ainda, que não aceitará “qualquer apoio de empresas privadas ou outras entidades”. E porquê? “Por duas razões”, começou por explicar Paulo Morais, “primeiro, quero que uma das marcas da minha campanha seja a participação cívica e que todos possam contribuir com o que quiserem; e, depois, porque na minha campanha ninguém será um financiador distinguido – aqui jamais haverá bancos ou corporações”, concluiu. Como, de resto, está obrigado pela lei de financiamento partidário – segundo o artigo 16.º, só pessoas singulares podem fazer donativos.

Henrique Neto: Abril, apoios mil – e agenda cheia

“Enquanto os outros candidatos têm dinheiro, pessoas e um partido a apoiá-los, nós não temos uma grande estrutura. Por isso, têm sido dias muito trabalhosos, de tentar todos os dias fazer o melhor com os poucos recursos que temos”, começou por contar Henrique Neto sobre os primeiros dias on the road. 

Ainda assim, ânimo é o que não falta ao antigo empresário. “Temos recebido muito apoio e nas circunstâncias mais variadas. Ainda no outro dia, quando fomos a pé à sede do PSD” – Henrique Neto reuniu-se esta semana com Marco António Costa, José Matos Correia e José Matos Rosa – “houve várias pessoas que nos pararam na rua para desejarem sorte e dizer que iam votar em mim”, relatou.

Sem conseguir disfarçar algum orgulho, Henrique Neto contou também que a “maioria das pessoas que o contactam”, por email ou por carta, “dizem: ‘eu já não voto há 10 anos, mas em si eu vou votar'”, o que só reforça a convicção de um homem que sempre se mostrou muito crítico perante aquilo que acredita serem os interesses instalados nas máquinas partidárias e que faz disso a principal bandeira da sua campanha.

Os apoios estendem-se também para lá da sociedade civil. Aquele que mais o surpreendeu, confessa, foi o de Tomás de Oliveira Dias, um dos fundadores do PPD, “um homem que não é propriamente de esquerda”, com fez questão de lembrar. Mas há mais: por exemplo, Carlos Sá Furtado, professor da Universidade de Coimbra e antigo secretário de Estado de Maria Pintassilgo, e Norberto Canha, antigo docente universitário em Coimbra e ex-presidente da Administração dos Hospitais da Universidade de Coimbra.

“Tenho recebido incentivo de muitos médicos, muitos quadros de empresas e de muitos professores universitários”, revelou um surpreendido Henrique Neto.

Entre reuniões com partidos e sindicatos, debates na Câmara de Comércio e Indústria Luso-Francesa e na Sociedade de Geografia de Lisboa, encontros com associações de produtores do vinho do Douro e a publicação de comunicados e artigos de opinião sobre os mais diversos temas, Henrique Neto está disposto a aparecer na discussão pública do país.

Até se estreou nos programas de entretenimento, quando aceitou o convite do apresentador José Pedro Vasconcelos para ir ao programa da RTP “5 para a meia-noite”. A experiência, diz, foi muito positiva e valeu-lhe, inclusivamente, um elogio inesperado: “Quando fui ao meu médico ele disse-me: ‘Olhe, o meu filho viu-o ontem na televisão e disse logo que o apoiava'”.

Henrique Neto considera que há uma onda crescente de popularidade: “Isto acontece talvez por ser muito percetível aquilo que eu digo. Eu não faço tiradas heróicas nem uso aquela retórica toda como alguns candidatos fazem. As pessoas reconhecem que aquilo que eu tenho dito está certo, ao contrário do que acontece com a concorrência, que, quando fala da economia, não sabe do que está a falar. Falam do que vem nos livros, mas nem tudo que vem nos livros está certo”, defendeu.

Paulo Morais: Entre a universidade e o bullying jurídico

O antigo vice-presidente da Câmara Municipal do Porto está empenhado em provar que merece a confiança dos portugueses e, desde que começou a pré-campanha, tem-se desdobrado em encontros com “personalidades” em várias universidades do país (Aveiro, Lisboa e Porto, por exemplo), em reuniões com apoiantes em Portimão, encontros com sindicatos na capital, seminários em Mirandela, uma conferência na Gulbenkian ou conversas com os confrades da Pedra de Vila Nova de Gaia. As viagens por todo o país, essas, paga-as do seu bolso, como fez questão de referir.

No meio da correria em que se transformou a vida de Paulo Morais, só há uma coisa que não abdica: as aulas na Universidade Portucalense, no Porto. “Os meus alunos têm direito a aprender e, por isso, nunca vou deixar que os meus outros compromissos prejudiquem essa parte da minha vida”.

Além das iniciativas de pré-campanha em que tem participado um pouco por todo o país e a carreira universitária, Paulo Morais tem ainda de arranjar espaço na agenda para as constantes idas ao tribunal. “Sofro de bullying jurídico”, confessou entre risos, depois de revelar que nos próximos dias terá de ir novamente a tribunal para responder a um processo por difamação colocado por Luís Filipe Menezes, antigo presidente da Câmara de Gaia.

“Entre aulas, artigos científicos, idas a tribunais, viagens de Portimão a Montalegre, a minha vida não é monótona, de certeza“, reconheceu Paulo Morais. “Felizmente, Portugal é um país relativamente pequeno”.

O ex-vice-presidente do TIAC está a apostar também nas redes sociais para convencer os eleitores mais jovens. O Facebook tem sido a grande plataforma de lançamento da campanha – foi lá que celebrou o 25 de abril, onde respondeu às perguntas dos vários seguidores. Mas, se as redes sociais têm óbvias vantagens em termos de alcance, também lhe têm valido alguns momentos agridoces, confessa.

“Recebo, felizmente, muito incentivo e apoios muitos firmes. Mas também insultos, claro. Quem tem um discurso que eu tenho tem tendência a posições extremadas. De facto, não é simpático, mas nenhum comentário é apagado. Sou um defensor total da liberdade de expressão”, garantiu Paulo Morais.

O sucessor do atual Presidente da República vai a votos em janeiro de 2016, “são nove meses, como os da gestação de um bebé”, como disse esta semana Cavaco Silva.