Eleições

Telegraph compara discurso do PS de Costa ao do Syriza

11.194

Na linguagem pré-eleitoral e nas propostas anti-austeridade, António Costa é semelhante ao grego Alexis Tsipras, defende no Telegraph um dos analistas mais influentes no Reino Unido.

FRANCOIS GUILLOT/AFP/Getty Images

Autor
  • Liliana Valente

As propostas socialistas são incompatíveis com o Tratado Orçamental e o discurso dos socialistas não é assim tão diferente das propostas do Syriza na Grécia, mesmo não sendo os dois partidos a mesma coisa.  É esta a análise feita por Ambrose Evans-Pritchard, jornalista e colunista do Telegraph, um dos mais influentes naquele país e seguido com atenção nos círculos financeiros de toda a Europa.

Enquanto o PS insiste que é um animal diferente do movimento radical Syriza na Grécia, há uma notável semelhança em algumas das propostas e da linguagem pré-eleitoral. O Syriza também se comprometia em manter as regras da UEM [União Económica e Monetária], enquanto que ao mesmo tempo fazia campanha por medidas que tinham como intenção provocar uma colisão frontal com os credores”, escreve o colunista.

Para o colunista do Telegraph, lido por milhares de pessoas e conhecido pela suas posições heterodoxas (opõe-se frontalmente ao euro e é um crítico das políticas de austeridade), a aproximação do socialista ao Syriza faz-se em boa parte pela linguagem de António Costa, que, na opinião do colunista, tem adoptado uma retórica mais radical. Para o fundamentar, Pritchard dá como exemplos a discussão em torno da privatização da TAP e o acentuar do discurso contra a austeridade e contra o Fundo Monetário Internacional, evolução “que reflete o ambiente cultural dominante no centro esquerda de Portugal”.

De acordo com Ambrose Evans-Pritchard, é este tipo de discurso que está a fazer soar os alarmes em Berlim. Angela Merkel tem-se colocado ao lado do Governo de Passos Coelho, dando-o como exemplo e, para o analista, o facto de o PS estar à frente nas sondagens e de ter um discurso que pode provocar dúvidas é não só motivo de inquietação como de receio de um contágio vindo da Grécia:

Os ataques cada vez mais ferozes sobre austeridade em Lisboa são susceptíveis de aumentar os temores em Berlim que vai haver uma quebra na disciplina orçamental e nas reformas no sul da Europa em conjunto, se a Grécia conseguir concessões”. Ou seja, haverá um “risco moral” que é preciso ter em conta nas soluções para a Grécia.

Mas além da linguagem, o problema coloca-se também nos números. Na análise que Ambrose Evans-Pritchard, o cenário macroeconómico do PS “parece totalmente incompatível com o Tratado Orçamental”, uma vez que o país precisa de uma redução da dívida e do défice compatível com as regras e, para o analista, o cenário traçado pelos socialistas podem não respeitar essas limitações.

Pritchard avisa também que o país, apesar de ter “resistido” muito melhor do que a Grécia, “continua vulnerável” e está na linha da frente no contágio caso se grave a crise grega.

Como ponto nevrálgico está não só a dívida pública como o endividamento total da economia: “O endividamento combinado do sectores público e privado está nos 370% do PIB, o mais elevado da Europa. Isso deixa o pais perigosamente exposto aos efeitos da deflação e da estagnação do crescimento nominal do PIB”, escreve Pritchard. Já sobre o sector público, e citando o economista-chefe do Citigroup, o analista lembra que os rácios da dívida estão além do desejável e que por isso o país “precisa de algum tipo de reestruturação” e é esse “medo constante” nos mercados que configura a principal vulnerabilidade do país a uma nova crise da dívida.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Contagem decrescente /premium

Manuel Villaverde Cabral

O grande problema do PS será prometer o fim da «geringonça» sem que as muletas do governo – o PCP, o BE e os seus eleitorados – lhe venham a negar uma maioria que o PS já só poderá fazer com Rui Rio. 

Crónica

A lobotomia nasceu aqui /premium

Alberto Gonçalves
595

Quando não estão a pagar impostos ou a ver a CMTV, as vítimas vão tirar “selfies” com os carrascos e prometem-lhes devoção e votos. Os portugueses apreciam ser humilhados ou não percebem o que são?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)