Três concelhos dos distritos de Santarém e Castelo Branco apresentam esta sexta-feira risco máximo de incêndio, de acordo com informação disponível na página do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) na Internet.

Segundo o IPMA, em risco máximo de incêndio estão os concelhos de Sardoal e Mação (Santarém) e Vila de Rei (Castelo Branco).

O IPMA colocou também em risco muito elevado de incêndio os concelhos de Monchique (Faro), Coruche, Chamusca, Constância, Vila Nova da Barquinha e Abrantes (Santarém), Ponte de Sor, Gavião, Nisa (Portalegre), Vila Velha de Ródão, Proença-a-Nova, Castelo branco, Sertã, Oleiros, Covilhã (Castelo Branco) e Figueiró dos Vinhos, Pedrógão Grande e Castanheira de Pera (Leiria).

Estão ainda em risco muito elevado de incêndio os concelhos de Miranda do Corvo, Góis, Pampilhosa da Serra, Góis, Tábua e Arganil (Coimbra), Sabugal (Guarda), Tondela, Fornos de Algodres, Vila Nova de Paiva, Armamar, Moimenta da Beira, Sernancelhe e Aguiar da Beira (Viseu).

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, variando entre reduzido e máximo. O cálculo é feito com base nos valores observados às 13h00 de cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA prevê para esta sexta-feira no continente céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade no Algarve durante a tarde e vento fraco a moderado predominando de nordeste, soprando, durante a tarde, moderado de sudoeste na costa sul do Algarve.

Nas terras altas, o vento soprará moderado a forte de nordeste até ao meio da manhã e para o final do dia. Está também prevista uma pequena subida da temperatura mínima.

Em Lisboa as temperaturas vão variar entre 16 e 27 graus Celsius, no Porto entre 13 e 23, em Bragança entre 2 e 22, em Viseu entre 8 e 21, na Guarda entre 5 e 19, em Castelo Branco entre 12 e 25, em Portalegre entre 14 e 25, em Coimbra entre 13 e 25, em Leiria entre 8 e 25, em Santarém entre 13 e 28, em Évora entre 12 e 28, em Beja entre 14 e 30 e em Faro entre 16 e 25.

Fogo continua em Ponte de Lima, mas mantêm-se esperança na passagem do rali

O incêndio em floresta que deflagrou na quinta-feira à tarde na freguesia de Cabração, no concelho de Ponte Lima, manteve-se ativo com duas frentes esta madrugada, mas os bombeiros acreditam ser possível a passagem do Rali de Portugal.

“Conseguimos desviar o fogo do troço do Rali [de Portugal]. Se tudo correr bem, a minha perspetiva é que o Rali vai decorrer”, disse em declarações à agência Lusa Carlos Lima, comandante dos Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima.

Pelas 05h30, o incêndio estava ativo com duas frentes e o combate às chamas estava a ser dificultado pelos acessos no terreno. “Neste momento há uma frente em zonas que só meios apeados é que conseguem lá chegar”, afirmou Carlos Lima.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima disse ainda ser difícil prever quando será possível extinguir o incêndio. “Não temos essa previsão porque os meios têm alguma dificuldade em evoluir no terreno e tudo depende, agora com o nascer do sol, como vai ser o comportamento do fogo”, acrescentou.

Por volta das 05h30 desta sexta-feira o incêndio em floresta que deflagrou na quinta-feira à tarde na freguesia de Cabração estava a ser combatido por cerca de 160 homens apoiados por 50 viaturas, segundo Carlos Lima.

Os responsáveis do Rali de Portugal vão aguardar pela manhã desta sexta-feira para avaliar a viabilidade de passagem do troço de Ponte de Lima.

O Automóvel Clube de Portugal, promotor do evento, não assumiu ainda uma posição oficial, mas prevê tomar uma decisão às 07h00 desta sexta-feira, ou seja, duas horas e 40 minutos antes do arranque da classificativa de Ponte de Lima, a primeira do dia e segunda do rali.