A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, considera que a saída da Grécia da zona euro é “uma possibilidade”, segundo extratos de uma entrevista a um jornal alemão divulgados esta quinta-feira.

“A saída da Grécia (da zona euro) é uma possibilidade”, afirmou Lagarde, que está em Dresden (Alemanha) na reunião de ministros das Finanças do G7, na entrevista ao Frankfurter Allegemeine Zeitung que será publicada na sexta-feira.

Para Lagarde, essa saída não seria “um passeio”, mas “provavelmente também não significaria o fim do euro”.

“É muito improvável que encontremos uma solução global nos próximos dias”, disse também a responsável do FMI, um dia depois de Atenas ter sugerido que estaria iminente um acordo com os credores.

A Grécia, que tem problemas de liquidez, está há meses a negociar com os credores (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI) um acordo para que seja desbloqueada uma tranche de 7,2 mil milhões de euros do empréstimo concedido em 2012.

As negociações avançaram no início de maio, mas “nas últimas semanas tivemos novos fracassos”, disse Lagarde.

FMI avisa Grécia: não pagam, não recebem

A Grécia ficará privada de acesso a financiamento do Fundo Monetário Internacional se falhar o pagamento à instituição, advertiu por sua vez um porta-voz do FMI. “Qualquer país que não cumpra os seus compromissos é considerado com pagamentos em atraso e não tem acesso ao financiamento do FMI”, declarou William Murray numa conferência de imprensa em Washington.

Atenas terá de fazer pagamentos ao FMI ao longo do mês de junho de cerca de 1,6 mil milhões de euros, o primeiro dos quais (300 milhões de euros) no dia 5. No domingo, o ministro do Interior grego, Nikos Voutsis, afirmou que não há dinheiro para pagar ao FMI em junho, numa altura em que a Grécia tenta concluir um acordo com os credores que lhe garanta o financiamento considerado vital para o país cumprir as suas obrigações.

O primeiro-ministro, Alexis Tsipras, e os ministros envolvidos nas negociações nunca anunciaram que o pagamento não se fará. “Neste momento, esperamos que as autoridades gregas nos paguem”, afirmou o porta-voz.

O Governo grego espera que o acordo com os credores (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI) seja finalizado até domingo, mas Bruxelas já relativizou este otimismo. “As negociações com os gregos continuam e ainda há trabalho pela frente”, disse o porta-voz do FMI.

As declarações de William Murray surgem um dia depois de a líder do Fundo ter admitido, em declarações ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, que a saída da Grécia da zona euro é uma “possibilidade”, após quatro meses de negociações que ainda não chegaram a lado algum. Christine Lagarde também afirmou ser “muito improvável” haver um acordo abragente durante os “próximos dias” e adiantou que um abandono da moeda única por parte de Atenas não será, “provavelmente, o fim do euro”.