O impacto da greve de dez dias dos pilotos da TAP junto dos hotéis portugueses ficou aquém do inicialmente previsto, tendo-se registado “apenas 5% de quebras reais”, segundo a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP).

“Felizmente as quebras reais na hotelaria não confirmaram os números previstos inicialmente, uma vez que a adesão à greve foi bastante reduzida”, afirmou a presidente da direção executiva da AHP, Cristina Siza Vieira, em conferência de imprensa, em Lisboa.

Ainda assim, a responsável destacou que a greve dos pilotos da TAP afetou negativamente a imagem e a confiança de Portugal junto dos mercados internacionais.