Mais de 150 mil migrantes chegaram à Europa através do Mediterrâneo desde o início do ano, enquanto quase dois mil morreram durante a perigosa travessia, informou esta sexta-feira a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Os números divulgados pela OIM surgem na mesma altura em que as Nações Unidas exigem “uma resposta coletiva e consequente da Europa” face ao drama dos migrantes.

Entre os destinos mais frequentes, o foco está agora na Grécia, (nomeadamente nas muitas ilhas do país), que, desde janeiro, já acolheu cerca de 77 mil pessoas, mais do que durante todo o ano de 2014.

“Em média, mil pessoas desembarcam diariamente nas ilhas gregas, na maioria fugindo da guerra na Síria”, indicou William Spindler, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Itália, até agora destino privilegiado dos barcos sobrelotados de migrantes, recebeu 75 mil pessoas desde o início do ano.

“A Grécia tem necessidade de ajuda urgente e esperamos que a Europa intervenha”, apelou William Spindler, acrescentando que Macedónia e Sérvia são as etapas seguintes desses migrantes, que procuram chegar aos países do Norte da Europa, precisando igualmente de apoio.