Quando apareceram pela primeira vez, no século XIX, os ténis eram considerados artigos de luxo. Isso mesmo: luxo. Hoje, espalharam-se pelo mercado e, apesar de existirem modelos exclusivos apenas acessíveis a alguns, são uma peça essencial em todos os guarda-roupas mais descontraídos. O Museu de Brooklyn, em Nova Iorque, acaba de abrir uma exposição, “The Rise of Sneaker Culture”, que mostra a história da evolução dos ténis, enfatizando a sua “complexa história social e cultural”. Ao todo são 150 pares expostos até dia 4 de outubro, descreve o museu no seu site oficial.

Alguns ténis são tão icónicos que ficaram para a história. Um exemplo: em 1984, o famoso jogador de basquetebol norte-americano Michael Jordan tornou-se imagem da Nike. A marca fabricou uns ténis vermelhos e pretos — a cor do equipamento da sua equipa, os Chicago Bulls — e a cada jogo com eles nos pés, a marca pagava à NBA 5.000 dólares de multa. É que, segundo a regulação da organização, os jogadores só podiam utilizar ténis brancos, como recorda o El País.

A exposição conta histórias como esta dos Air Jordan, onde estão presentes as marcas de ténis mais conhecidas como a Adidas, Converse, Nike, Puma e Reebok, bem como coleções privadas, marcas de luxo como a Prada ou designs de artistas como Damien Hirst e Shantell Martin. Veja alguns desses modelos históricos na fotogaleria.