Uma comissão independente da polícia do Reino Unido (IPCC) abriu um inquérito formal para averiguar se a polícia do condado de Wiltshire abdicou de investigar o ex-primeiro-ministro conservador, Edward Heath, depois de receber queixas sobre alegados crimes sexuais contra crianças envolvendo o antigo chefe de governo, avança esta segunda-feira o Guardian.

“O IPCC está a investigar as alegações de que a polícia de Wiltshire não prosseguiu uma ação judicial quando uma pessoa ameaçou dizer que Edward Heath pode ter cometido abuso sexual infantil”, refere um breve comunicado de imprensa.

Um porta-voz da polícia de Wiltshire, citado pelo diário Telegraph, afirmou que a entidade está a ajudar o IPCC a identificar se existem testemunhas ou vítimas que suportem as alegações contra Heath. “Ele morou em Salisbury [cidade a uma hora de distância de Wiltshire] por muitos anos e gostávamos de saber se alguém tem informações relevantes que possam ajudar-nos nas nossas investigações ou que possam ter sido vítimas”, disse.

Angus Macpherson, comissário da polícia de Wiltshire, explicou ao Telegraph que já está aberto um inquérito interno para verificar indícios de corrupção ou de más práticas na investigação. “A minha prioridade como comissário é colocar os interesses das vítimas no centro de tudo o que fazemos”, afirma.

Edward Heath foi primeiro-ministro do Reino Unido pelo Partido Conservador entre 1970 e 1974 e foi responsável pela adesão do país à então Comunidade Económica Europeia, em 1973. Em 1975, perdeu a liderança do partido para Margaret Thatcher e nunca aceitou fazer parte da sua equipa. Heath manteve-se na vida política até 2001 e morreu de pneumonia em 2005, aos 89 anos. Até o momento, a família de Helth não se manifestou sobre o assunto.