O secretário de Estado norte-americano John Kerry admitiu que escreve cada email a pensar que este pode estar a ser lido pela China ou pela Rússia. “É muito provável”, admitiu, esta terça-feira, em entrevista ao canal CBSN.

“Acredita que os chineses ou os russos leem os seus emails?”, perguntou o jornalista Scott Pelley. Contra a habitual resposta politicamente correta do equivalente a um ministro dos Negócios Estrangeiros, o secretário de Estado disse prontamente que sim. “E eu escrevo as coisas consciente disso”, acrescentou.

“Infelizmente, vivemos num mundo onde vários países, China e Rússia incluídos, estão constantemente ligados a ciberataques contra o Governo e os interesses americanos”, disse.

O assunto preocupa Kerry e não é para menos. Para além da ciberespionagem comercial, em junho os Estados Unidos foram alvo de um dos maiores ciberataques da sua história, e que consistiu no roubou de dados pessoais de quase quatro milhões de funcionários públicos do país. Na altura, James Clapper, o chefe de espionagem dos EUA, admitiu que o principal suspeito da autoria era a China.

Em setembro, o Presidente chinês Xi Jinping fará a sua primeira visita oficial aos Estados Unidos e, no encontro com Barack Obama, o tema da espionagem pode vir ao de cima.