O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou esta quinta-feira que “uns e outros” pedem uma maioria absoluta, resultado esse que significaria um “cheque em branco” para aqueles que nunca cumpriram.

“Uma maioria absoluta que significaria um cheque em branco para aqueles que nunca cumpriram, quando no Governo, o que prometeram, antes executaram a política que serve os grandes interesses e contra os trabalhadores e contra o povo”, declarou Jerónimo de Sousa, durante um comício em Guimarães.

Segundo o líder comunista, uma maioria absoluta serviria para “continuar” a política que empobreceu o país, o conduziu ao declínio e à dependência e tanto “infernizou a vida” dos portugueses.