Rádio Observador

Astrofísica

Como se formou o anel F de Saturno?

Dois investigadores japoneses criaram um modelo que pode explicar a formação do anel F de Saturno e de dois "satélites pastores" - pode ter resultado da colisão de dois satélites com núcleo rígido.

Dois investigadores do Departamento de Planetologia da Universidade Kobe (Japão) encontraram uma possível explicação para a formação e manutenção do anel F, o anel mais exterior de Saturno, localizado entre o sistema de anéis e os satélites naturais do planeta. O anel F e os dois satélites que o acompanham podem ter resultado da colisão de outros corpos celestes nos limites do planeta gigante, conforme publicado esta segunda-feira na revista científica Nature Geoscience.

O anel F, descoberto em 1979, é o mais estreito dos sete anéis de Saturno. Mede entre 30 e 500 quilómetros de largura, segundo a NASA (agência espacial norte-americana), contra os 7.500 quilómetros do segundo anel mais estreito (o D) ou os 300 mil quilómetros do mais largo (o E). O anel F tem dois “satélites pastores” – Prometheus e Pandora -, um de cada lado. Aparentemente, estes satélites mantêm o “rebanho” de partículas no caminho certo, como se de ovelhas se tratassem, o que pode justificar que o anel seja tão estreito.

♦ Prometheus e Pandora são dois dos 53 satélites naturais de Saturno. Estes interagem diretamente com o anel F, outros estão localizados no espaço entre anéis, e outros, como Tethys e Dione, usam a mesma órbita.

Tanto o anel F como os restantes anéis de Saturno mantêm-se porque a força da gravidade exercida pelo planeta gigante e as marés provocadas por ele não deixam que as partículas dos anéis se agreguem. Mais afastado da ação do planeta, no exterior do anel F, as partículas agregam-se e, com o próprio movimento de rotação, tornam-se satélites esféricos. Faltava, no entanto, perceber como é que este sistema de anel e os “satélites pastores” se tinham formado.

Os investigadores japoneses criaram um modelo em que dois satélites feitos de partículas de gelo a envolver um núcleo rígido colidiam. Da colisão resultavam dois satélites a partir dos núcleos e três anéis – um entre os satélites e os outros do lado contrário de cada um dos satélites. A órbita dos satélites em torno de Saturno obrigaria as partículas de gelo que resultaram da colisão a manter-se num anel (naquele entre os satélites). Este anel pode ser alimentado por partículas de outras colisões ou corpos vindos do espaço, como cometas. O mesmo modelo de colisão, mas de satélites sem núcleo rígido, pode explicar a formação de anéis sem “satélites pastores”.

Os investigadores lembram que o anel F será, muito provavelmente, um sistema recente na evolução do planeta e que poderá estar ainda em formação. Já Aurélien Crida, investigadora no Observatório da Côte d’Azur, em Nice (França), num comentário ao artigo diz que “um modelo bem-sucedido do sistema do anel F também tem de explicar a sobrevivência a longo prazo”. Na maioria das simulações de Ryuki Hyodo e Keiji Ohtsuki, as órbitas dos satélites não estão separadas o suficiente para evitar que colidam no futuro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Ambiente

Frango à Covan /premium

Paulo Tunhas

Para uma vasta parte da humanidade ocidental, nada há de mais apetecível do que um certo sentimento de culpa própria. Por estranho que pareça, esse sentimento comporta um notório benefício narcísico. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)