Rádio Observador

Qualidade de Vida

As cidades mais (e menos) habitáveis do mundo escolhidas pela Economist

A capital da habitabilidade é Melbourne, na Austrália. A segurança, o sistema de saúde e as infraestruturas conquistaram o primeiro lugar da lista da EIU. Em último surgem as cidades do Médio Oriente.

A cidade de Melbourne, na Austrália, foi uma vez mais considerada a cidade mais habitável do mundo pela Economist Intelligence Unit (EIU). Todos os anos, o grupo de aconselhamento económico pertencente à revista The Economist lança um relatório das cidades com “relativamente poucos desafios aos padrões de habitabilidade”.

A qualidade das infraestruturas, do sistema de saúde e da segurança em Melbourne valeu o topo do pódio. Logo a seguir à cidade australiana surgem Viena (Áustria) e Vancouver (outra no Canadá). As entradas canadenses são as que dominam a lista, com três entradas logo nas primeiras seis cidades destacadas. A Austrália tem duas.

Mas a Economist também revelou quais as cidades menos habitáveis do mundo. A guerra atira Damasco, na Síria, para o último lugar. A guerra também coloca Tripoli (Líbia) na entrada número 136 da lista com 140 entradas. Além destes fatores, a densidade populacional de cidades como Lagos (Nigéria), Port Moresby (Papua Nova Guiné) e Dhaka (Bangladesh) fazem delas locais demasiado caóticos para que sejam boas a nível de habitabilidade.

Não há cidades francesas no topo da lista. A BBC justifica a inexistência de uma cidade francesa com a “instabilidade global do último ano”, ilustrada por exemplo pelo ataque aos escritórios do jornal satírico Charlie Hebdo. “Desde 2010 que a habitabilidade média pelo mundo caiu em 1%, devido a uma queda de 2,2% na pontuação da estabilidade e segurança”, pode ler-se no relatório.

Nos últimos cinco anos, 57 países viram a habitabilidade decrescer. Mas existem exceções. E na China há sete: a diminuição da agitação social em Pequim, por exemplo, atenuou a ameaça de viver em sete cidades.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

A Integração do Eu - Uma Mudanca de Paradigma

Carla Costa

Quando uma considerável percentagem da população de países desenvolvidos já recorreu a terapias alternativas, figuras de autoridade e influência não podem continuar a fechar os olhos a esta realidade.

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Politicamente Correto

Os filhos do Vasco Granja /premium

Helena Matos
463

O reitor proibiu a carne de vaca. Os alunos se pudessem proibiam toda a carne. Em Portugal, eles são os filhos e netos do Vasco Granja. Gerações que, entre muita animação, estão a impor uma ditadura.

Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)