Nas várias ilhas gregas, várias foram as ações de resgate ao longo deste fim de semana. Ao todo, foram já resgatadas 700 pessoas que tentavam entrar na Europa. Um jovem de 17 anos morreu numa troca de tiros entre as autoridades e um presumível traficante.

De acordo com um comunicado das autoridades gregas divulgado este domingo, foram socorridas mais de 700 refugiados ao largo da costa grega. Segundo a guarda costeira, a maioria das operações de resgate ocorreram junto às ilhas de Lesbos, Kos, Samos e Ikaría, no mar Egeu, uma zona que se converteu na principal porta de entrada para a União Europeia devido à sua proximidade com a Turquia.

Numa dessas operações de resgate, levada a cabo no sábado junto à ilha de Simi, um imigrante de 17 anos morreu durante um tiroteio entre a guarda costeira grega e presumíveis traficantes. De acordo com as autoridades gregas, o confronto ocorreu quando vários presumíveis traficantes que dirigiam a embarcação com cerca de 70 imigrantes dispararam contra um navio da guarda costeira helénica e outro da Frontex (Agência Europeia de Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas, dos Estados-Membros da União Europeia).

No tiroteio, também um elemento da guarda costeira grega e um alegado traficante ficaram feridos, informaram as autoridades.

Entretanto, dada a pressão das últimas semanas, responsáveis políticos da França, Alemanha e Reino Unido defenderam a realização de uma reunião urgente para discutir a crise de refugiados. A reunião dos ministros da Justiça e da Administração Interna da União Europeia ainda não tem data marcada.

Ainda no dia de hoje, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o líder do Governo espanhol, Mariano Rajoy, encontram-se em Berlim para avalia as relações bilaterais, mas também a crise dos refugiados. O porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert, explicou que, para Berlim, os “temas essenciais” a serem abordados na visita de Rajoy são “a situação na União Europeia”, bem como a evolução dos conflitos na Líbia, Síria e Ucrânia.

Além destas 700 pessoas, chegaram ao porto de Pireu, em Atenas, outras 2.488 pessoas na noite passada a bordo do “Eleftherios Venizelos”, a embarcação que nas últimas semanas tem transportado os refugiados e migrantes que chegam à costa das ilhas helénicas até à capital grega.

A maioria dos refugiados foi transportada em autocarros para a estação central ferroviária, de onde partiram rumo à fronteira com a Macedónia, um país que, à semelhança da Grécia, tem sido palco de um vasto fluxo migratório.

O objetivo dos recém chegados, a maioria dos quais refugiados sírios, é chegar ao centro e norte da Europa.

Dados publicados pela Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) revelam que desde o início do ano chegaram à Grécia mais de 180 mil migrantes.