O governador do Banco da Finlândia, Erkki Liikanen, anunciou que vai doar o seu salário de um mês (cerca de 10 mil euros) à Cruz Vermelha finlandesa para ajudar os refugiados que se dirigem para o país.

“Sei que este dinheiro vai chegar a quem mais necessita. Cada um faz o que sente que deve fazer dentro das suas possibilidades”, escreveu Liikanen, na sua página do Facebook, citado pelos media locais.

Liikanen, que foi presidente da Cruz Vermelha finlandesa entre 2008 e 2014, afirmou que a crise no Médio Oriente provocou “um êxodo de refugiados sem precedentes” nas últimas décadas e considerou que as grandes potências, em particular, deveriam responder com soluções políticas.

“A tensão nas relações internacionais dificulta encontrar soluções, mas não devemos render-nos. Necessitamos da contribuição dos Estados Unidos, Rússia, dos países do Médio Oriente e da União Europeia”, sublinhou.

Liikanen sugeriu que, enquanto se tentam encontrar soluções, os cidadãos também devem envolver-se da forma que considerarem possível para ajudar os refugiados que chegam à Finlândia em fuga das guerras e em busca de asilo, e apontou como exemplo o primeiro-ministro finlandês, Juha Sipila.

No sábado, Sipila anunciou que vai oferecer a sua própria casa a partir de janeiro para albergar refugiados que cheguem ao país nórdico para solicitar asilo, um gesto que suscitou em simultâneo elogios e críticas.