Pedaços de lama da primeira edição do Rock in Rio, em 1985, vão ser vendidos como lembrança oficial do festival, anunciou o criador do festival, Roberto Medina.

Na primeira edição, que decorreu de 11 a 20 de janeiro de 1985, fortes chuvas caíram sobre o Rio de Janeiro e transformaram a Cidade do Rock num lamaçal, porque o local não tinha o sistema de drenagem que hoje tem.

Segundo Roberto Medina, na próxima edição do festival, que arranca a 18 de setembro, vai estar à venda esta “lama sagrada” do terreno original.

“Todo o santo dia encontrava alguém que me pedia a lama”, contou, explicando que o material foi recolhido com baldes pela sua equipa, o que na época ele considerou uma “doideira”.

Sem revelar, no entanto, onde guardou essa lama até hoje, o organizador do festival disse que o ‘souvenir’ vai ser comercializado nas lojas oficiais da Cidade do Rock, em pequenos blocos prensados em placas acrílicas, em quantidades limitadas, que deverão custar cerca de 100 reais (23,5 euros).

Esta iniciativa, não é, no entanto, original. Em 1985, os guardadores de carros tiveram a mesma ideia, e venderam a “legítima lama do Rock in Rio”, como anunciavam, em sacos plásticos.