Depois de muitas curvas e contracurvas numa estrada ladeada por flores campestres e inesperadas janelas com vista sobre a baía do Funchal, chegamos ao Ribeiro Frio, no norte da Madeira. Estamos mesmo no centro da Floresta Laurissilva (a da Madeira é a maior da Macaronésia), classificada pela Unesco como património mundial, e a partir daqui o passeio é feito a pé.

Miradouro_TiagoSousa

Crédito: Tiago Sousa

Queremos chegar aos Balcões, um dos miradouros muito procurados pelos turistas (e dos habitantes locais com pouco tempo para grandes caminhadas). Até lá, percorremos uma levada (caminho estreito ladeado por cursos de água) que corta a Serra do Faial e que nos levará a uma vista soberba sobre o vale da Ribeira da Metade e da Freguesia do Faial.

O passeio demorará cerca de 1h30, ida e regresso, e põe-nos lado a lado com fauna e flora únicas no mundo, como a Orquídea da Serra, que nascem nas margens do trilho. Por aqui, também costuma estar o Pombo Trocaz, outra espécie endémica da ilha, alvo da lente de muitos fotógrafos de natureza que viajam para a Madeira à procura de imagens raras.

Esta é apenas uma das zonas de onde se pode ter das melhores vistas sobre a Floresta Laurissilva, caracterizada pela vegetação com diferentes tons de verde, formas e recortes excêntricos, resultado de uma combinação entre o clima tropical e mediterrânico.

Se o dia não estiver forrado – que é o mesmo que dizer fechado – a vista do miradouro dos Balcões ainda mostra o Pico do Areeiro (1817 m) e o Pico Ruivo (1861 m), dos mais imponentes do arquipélago. Mas se houver tempo para outros passeios, os picos merecem mesmo uma vista de perto e, se o físico estiver treinado, uma caminhada até ao cume. É certo que é preciso esforço, mas garantimos que vai valer a pena.