Rádio Observador

Privatização da TAP

Governo reforça controlo sobre venda da TAP e acautela eventual recuo

101

Renegociação da dívida da TAP com a banca é um problema sério. Governo em gestão salvaguarda um eventual recuo na privatização. TAP não pode ser devolvida com mais dívida.

MARIO CRUZ/LUSA

O governo aprovou esta quinta-feira uma alteração ao acordo de venda da TAP com o objetivo de reforçar a defesa do interesse público. A resolução foi aprovada no primeiro Conselho de Ministros, com direito a briefing e comunicado que se realizou depois das eleições legislativas e com o governo já praticamente em gestão, embora formalmente essa situação só ocorra a partir da tomada de posse do novo Parlamento, que acontece amanhã. 

Em causa está a aprovação de um ajustamento ao contrato de venda da TAP ao consórcio de David Neeleman e Humberto Pedrosa, que pretende reforçar os interesses do Estado acionista, no caso de o negócio vir a ser desfeito, designadamente se falhar a renegociação da dívida com a banca que é uma condição da privatização. Num cenário de reversão, a dívida da TAP não pode ser superior à registada quando a empresa era pública.

A regra estende-se até 30 anos, o último prazo previsto para a possibilidade de reversão do negócio por incumprimento de condições por parte do comprador, e que vão desde compromissos laborais, até à recapitalização e à manutenção do hub, explicou ao Observador o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro.

O Estado passa a ter acesso a informação mensal e auditada por uma entidade independente que lhe permite conhecer em detalhe a evolução da situação financeira, depois de vender a maioria do capital ao consórcio privado. Este barómetro vai avaliar a progressão de dois indicadores, a dívida líquida e a solidez do capital, revelou ainda Sérgio Monteiro.

Em apenas três meses, a dívida da TAP agravou-se em 100 milhões de euros, ultrapassando os mil milhões de euros, confirmou Sérgio Monteiro, acrescentando que se trata de um aumento das necessidades de tesouraria que implica mais endividamento, situação que é comum no setor da aviação comercial.

Renegociação é um “problema sério”

Já o ministro da Presidência, Luís Marques Guedes, reconhece que a renegociação da dívida bancária da TAP tem sido um “problema sério” na concretização da privatização. “Há um problema sério para a concretização do negócio que tem que ver com a reestruturação da divida financeira”. A renegociação da dívida tem sido dificultada pela situação financeira da empresa, acrescenta Marques Guedes. 

Para além da questão da instabilidade política e da incerteza sobre o desfecho desta operação, caso venha avance um governo de esquerda, os bancos têm acenado com a subida do risco, e logo dos custos financeiros, que resulta da transferência do controlo do capital do Estado para os privados.

As medidas de reforço do controlo definem que a banca passa a também a ter acesso à informação mensal e auditada sobre a situação financeira da empresa, explicou Luís Marques Guedes. Esta informação permite reforçar o nível de confiança dos bancos no processo negocial com o consórcio privado, acrescenta igualmente Sérgio Monteiro. Daí que esta seja vista como uma medida positiva para facilitar a negociação. Com essas garantias acrescidas, o consórcio vê “aplanado o terreno” para poder trabalhar com a banca na reestruturação da divida, conclui Marques Guedes. 

O ministro afastou contudo a interpretação de que esta medida tenha como finalidade facilitar um eventual recuo na privatização da TAP, que tem sido defendido pelos partidos à esquerda e que poderá ser uma das medidas de um governo socialista. 

O ministro assegurou, também, que não houve nenhuma contrapartida para o consórcio privado Gateway que ganhou a operação. “O consórcio sabe que tem de desatar este nó e sabe da resistência dos credores financeiros. É preciso garantias para que todas as partes se sintam confortáveis para que o nó se desate.” 

Consórcio diz que medida é relevante para o sucesso da operação 

Já a secretária de Estado do Tesouro, Isabel Castelo Branco, afirma que todos os interesses estão alinhados. “Os bancos querem ver uma TAP forte”. Sérgio Monteiro, por seu turno, sublinha o “facto extraordinário de termos encontrado um comprador” que mantém o interesse apesar da situação financeira da TAP se ter degradado em cem milhões de euros em três meses.

Fonte da Gateway Internacional sublinha que o consórcio aceita o “reforço dos mecanismos de controlo da situação económica e financeira a que estaremos submetidos por parte do Estado hoje aprovado porque entendemos ser relevante para o sucesso da privatização e para os vários stakeholders da TAP”. A Gateway afirma estar confiante no sucesso da privatização:

Continuamos a trabalhar intensamente em várias frentes, entre as quais, na renegociarão da dívida financeira do grupo no sentido que permita a viabilidade e sustentabilidade do nosso projeto para a TAP que assenta numa estratégia de crescimento e preservação dos postos de trabalho.

A aprovação destas garantias acrescidas de controlo financeiro surgem na sequência do parecer favorável, mas com condições, dado à privatização da TAP pelo regulador da aviação (a ANAC) na semana passada. 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)