O regulador do mercado português, a CMVM, condenou a consultora KPMG por violação das normas de auditoria no caso das offshores do BCP. O Jornal de Negócios avança a notícia esta quarta-feira mas a condenação remonta a 2013, não tendo sido divulgada para evitar danos aos envolvidos, diz o jornal.

Foi no terceiro trimestre de 2013, seis anos depois dos factos, que a condenação foi decidida. Em causa estava a utilização de veículos offshore para investir em ações do próprio banco. Jorge Jardim Gonçalves e Filipe Pinhal estiveram entre os condenados nesse processo. Quanto à KPMG, esta terá sido condenada por uma infração muito grave, cuja multa não terá ultrapassado os 150 mil euros. Mas a condenação foi com pena suspensa, pelo que é possível que a auditora não tenha pago qualquer multa.

A condenação não foi conhecida publicamente, na altura, porque, como assinala o Jornal de Negócios, o Código de Valores Mobiliários prevê que não se anuncie as condenações quando isso possa causar “danos concretos (…) manifestamente desproporcionados em relação à gravidade dos factos”.