Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As “Black Fridays” em França vão mudar de nome. O dia das grandes promoções de compras, que acontece nas últimas sextas-feiras do mês de novembro, todos os anos, em vários países do mundo, não se adequa aos tempos que correm em França. Como o termo, “Black Friday”, ou “Sexta-Feira Negra”, podia ser associado aos acontecimentos trágicos da última sexta-feira 13, em Paris, onde um grupo de terroristas matou 129 pessoas, foi tomada a decisão de lhe mudar o nome.

Um grupo de comerciantes franceses quer assim dar um novo nome a esta campanha, importada dos Estados Unidos, e passar a chamá-la Dias XXL (em inglês, “XXL Days”), noticia o jornal francês Les Échos. O nome anterior não é “muito apropriado” dados os acontecimentos recentes, explicou Marc Lolivier, o diretor geral da Federação de vendas eletrónicas e vendas à distância (FEVAD), numa conferência de imprensa dada esta quarta-feira. Segundo o próprio, já existem “negociações com as empresas” que planeavam organizar a “Black Friday ” para dia 27 deste mês para que alterem o nome do evento.

A empresa francesa Klépierre, dona de muitos centros comerciais no país, já anunciou que, nos shoppings que controla, renomearam a definitivamente a operação de Black Fridays para XXL Days, “por respeito às vítimas e famílias afetadas pelos inqualificáveis atos perpetuados em Paris, na passada sexta-feira”.

Nos Estados Unidos, a “Black Friday” marca o início da época de compras natalícia dos consumidores norte-americanos. A ideia do conceito é pôr as lojas a oferecerem grandes descontos para atrair as pessoas, provocando uma grande adesão dos consumidores. A ideia tem sido importada para outros países, entre os quais a França.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR