Acidente Ferroviário

Travagem tardia na origem do descarrilamento do TGV no passado sábado em França

Uma travagem tardia esteve na origem do descarrilamento de um comboio de alta velocidade (TGV) no sábado passado no leste de França que causou 11 mortos.

YOAN VALAT/EPA

Uma travagem tardia esteve na origem do descarrilamento de um comboio de alta velocidade (TGV) no sábado passado no leste de França que causou 11 mortos, divulgou hoje a empresa público-privada francesa de caminhos de ferro (SNCF).

Na altura do descarrilamento, o comboio ia a uma velocidade de 243 quilómetros por hora, segundo a operadora.

Numa conferência de imprensa hoje realizada, a SNCF indicou igualmente que na altura do acidente estavam sete pessoas na cabine do maquinista, em vez das quatro pessoas autorizadas.

No acidente, que ocorreu quando o comboio circulava em testes, 42 pessoas ficaram feridas, incluindo quatro menores com idades compreendidas entre os 10 e os 15 anos.

“Os processos disciplinares serão iniciados” e “vão conduzir, caso o inquérito assim o permita, a sanções justificadas”, anunciou a operadora.

O inquérito deverá esclarecer “a presença imprudente de crianças a bordo e de sete pessoas na cabine do maquinista, uma certa falta de rigor na elaboração da lista de pessoas e no respetivo controlo”, referiram os presidentes da SNCF, Guillaume Pepy, e da SNCF Rede, Jacques Rapoport, em declarações à imprensa.

No total, 53 pessoas estavam a bordo do comboio. A justiça francesa abriu um inquérito sobre as causas do acidente.

O TGV efetuava ensaios na nova linha de alta velocidade no norte de Estrasburgo e, por isso, só deveria transportar técnicos.

O acidente, o primeiro descarrilamento mortal na história do TGV desde a sua entrada em funcionamento em 1981, ocorreu em Eckwersheim, a cerca de 20 quilómetros de Estrasburgo.

A nova linha de grande velocidade deve começar a funcionar na primavera de 2016 e colocará Estrasburgo a 01:48 de Paris, contra as 02:20 atuais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Um partido não é uma família

Sandra Clemente

PSD, PS, BE, CDS e CDU, em 20 anos, perderam cerca de 850 mil votos, mas não assusta esta crescente insignificância dos partidos existentes, só assusta a possibilidade de novos partidos aparecerem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)