António Costa será o primeiro-ministro de um Governo que altera a orgânica tradicional e que inclui muitas caras novas. Na lista enviada ao Presidente da República, avançada pela TSF, há novos ministérios e outros que deixam de existir, como os Assuntos Parlamentares ou a Presidência do Conselho de Ministros, ficando a cargo de secretários de Estado. 

  • Finanças

Mário Centeno – Sempre foi o nome mais falado. O homem das contas de António Costa é o nome quase evidente para assumir a pasta que tem o controlo das contas do Estado. Contudo, Centeno tem como área de especialização o Trabalho, e foi ele que coordenou as equipas técnicas nas reuniões com a esquerda e no programa de Governo. Várias foram as alterações respeitantes à área das relações de trabalho, por pressão do PCP.

  • Justiça

Francisca Van Dunem – Era até agora Procuradora Distrital de Lisboa, é uma das mulheres fortes do Ministério Público português. Casada com Eduardo Paz Ferreira, Van Dunem falou há uns tempos da discriminação racial ainda existente em Portugal. Provém de uma das famílias mais tradicionais de Angola, os Van Dunem, desde sempre ligados ao MPLA. A família deu mesmo origem a um livro de Pepetela, “A gloriosa família”, muito polémico na altura porque contava a origem dos Van Dunem remetendo para um holandês ligado ao tráfico de escravos.

  • Economia

Manuel Caldeira Cabral – Foi um nome já consolidado há algum tempo. O economista, professor da Universidade do Minho, fez parte do grupo que Costa chamou para preparar o cenário macroeconómico. Foi cabeça de lista por Braga. Caldeira Cabral teve ligações à anterior direção socialista, de António José Seguro, quando este formou um grupo para negociar com o Governo de Passos Coelho a estratégia para os fundos estruturais.

  • Educação

Tiago Brandão Rodrigues – Foi o jovem emigrante que Costa trouxe para a primeira linha do combate político. Será o ministro mais jovem, com 38 anos. Foi cabeça de lista por Viana do Castelo e, durante os 15 dias de campanha eleitoral, foi ele quem encabeçou os debates temáticos sobre educação. Por norma, os governos PS separam a Educação do Ensino Superior – que foi durante anos pasta atribuída a Mariano Gago.

  • Administração Interna

Constança Urbano de Sousa – Especialista em assuntos de asilo e imigração. A carreira na área da imigração junto às instituições europeias fez dela a escolha de Costa. Professora na Autónoma, foi Conselheira e Coordenadora da Unidade Justiça e Assuntos Internos da Representação Permanente de Portugal junto da UE. Foi ainda chefe da delegação portuguesa ao Comité Estratégico Imigração, Fronteiras e Asilo (CEIFA)da União Europeia.

  • Saúde

Adalberto Campos Fernandes – Médico e especialista em saúde pública, ex-gestor do Hospital Santa Maria, é um dos homens que tem uma visão de Serviço Nacional de Saúde equivalente à de António Costa e foi também ele deu contributos para o programa nesta área. Há vários anos que o seu nome era dado como ministeriável. Chegou agora a sua vez.

  • Ambiente

João Matos Fernandes – Foi administrador do Porto de Leixões e era até agora presidente da Águas do Porto. Desceu até Lisboa na altura das negociações com os partidos de esquerda, chamado por António Costa. Fez parte da equipa técnica que negociou com os Verdes.

  • Defesa

José Azeredo Lopes – Foi presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social e atualmente é chefe de gabinete da Câmara do Porto. Professor Associado da Faculdade de Direito da Universidade Católica do Porto, é professor das disciplinas de direito internacional. 

  • Ministro da Cultura

João Soares – Era até agora deputado. Foi vereador da cultura em Lisboa e depois presidente da Câmara. Filho de Mário Soares, João Soares chega agora ao Executivo. O seu nome chegou a ser falado para ministro da Defesa, dado que era um dos representantes do PS na comissão parlamentar desta área e presidente da Assembleia Parlamentar da OSCE.

Dependentes do primeiro-ministro ficarão ainda:

  • Secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro

Mariana Vieira da Silva – Pertence à Comissão Política do PS e já pertenceu ao gabinete da ex-ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, entre 2005 e 2009. Mais tarde foi adjunta do Secretario de Estado Adjunto do Primeiro Ministro, Almeida Ribeiro. Doutoranda do ISCTE, foi uma das coordenadoras do programa do partido e esteve desde sempre no núcleo duro de Costa.

  • Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares

Pedro Nuno Santos – Era deputado até agora e vice-presidente da bancada parlamentar. É líder da Federação do PS de Aveiro e foi o chefe das equipas negociais com PCP, BE e Os Verdes. Costa chamou-o para ficar no Parlamento e assegurar em conjunto com Carlos César, João Galamba e Ana Catarina Mendes as negociações à esquerda. A semana passada deu uma entrevista ao Observador, pode ler aqui na íntegra.

  • Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros

Miguel Prata Roque – É advogado e professor de Direito Administrativo da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. É também advogado de José Sócrates na providência cautelar que o ex-primeiro-ministro apresentou contra o Correio da Manhã por causa do caso Operação Marquês.