Todos conhecemos este cenário, principalmente o universo feminino. Ela entra com um par de calças nos provadores, número 38 com a esperança que lhe sirvam e com uma camisa mesmo a combinar. Tira os sapatos, depois a roupa e chega a hora da verdade. A camisa até assenta bem, mas as calças não. Não importa se são demasiado grandes ou demasiado pequenas, porque não é isso que está em causa e há coisas que não se comentam. Surge outro problema: ela está sozinha. Precisa de outras calças e o marido está no outro lado da loja, a filha adolescente está a mascar pastilha na secção ao lado e ela está ali, quase nua, com a cortina do provador a tapar o corpo e a espreitar lá para fora na esperança que passe uma funcionária. Não passa. E agora?

Agora este cenário é coisa do passado nas lojas da Zara em San Sebastián, Espanha. A marca com origem na Corunha instalou iPads nos provadores femininos das lojas nesta cidade e promete fazer o mesmo em mais 2055 estabelecimentos por todo o mundo, conta o El País.

À entrada do provador, o funcionário da loja indica ao dispositivo quais as peças de roupa que a cliente leva na mão. Já dentro do provador, o iPad permite escolher outros tamanhos, cores ou modelos. Além disso, e à semelhança do que acontece tipicamente nos sites de roupa, o dispositivo vai ainda sugerir outras peças que possam combinar bem com aquelas que está a experimentar.

Assim saem todos a ganhar: os clientes, porque não têm o inconveniente de andar de um lado para o outro à procura da peça de roupa ideal; e os funcionários, porque estes iPads vão ajudar a controlar melhor o fluxo de compras e evitar roubos com maior facilidade. Ah, e a marca, claro.