O PSD e o CDS vão votar favoravelmente esta sexta-feira o projeto de lei do PS que elimina a Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES) em dois anos, uma vez que os dois partidos de direita apresentaram um diploma idêntico, confirmou o Observador.

Esta sexta-feira, vão a votos os projetos do PS, do PSD e CDS e do PCP, que defende a eliminação imediata. Assim sendo, o projeto do PS passa com votos da direita e o voto favorável do BE, Verdes e PAN. Mesmo que PSD e CDS não votassem a favor, estes partidos de esquerda seriam suficientes (108 deputados a favor e 15 abstenções do PCP) para viabilizar a eliminação gradual da CES.

De acordo com a proposta apresentada pelo PS, no ano de 2016 a Contribuição Extraordinária de Solidariedade será reduzida a metade. Será assim aplicada uma taxa de 7,5 % sobre o montante que exceda os 4.611 euros e 20% sobre o montante que exceda os 7,127 euros.

No caso do projeto do PS de reposição salarial de salários da função pública em dois anos, o acordo do PS é idêntico. O PCP, que tem um diploma autónomo de reposição integral a 1 de janeiro de 2016, também fica de fora, abstendo-se, o que permite a aprovação.