Tentámos provocá-los com perguntas como “qual o sketch d’Os Trapalhões que mais vos influenciou?” ou “se os espectadores são coautores do espetáculo, porque é que têm de pagar bilhete?“. Sucesso viral dos dois lados do Atlântico, por esta altura o grupo brasileiro de humor Porta dos Fundos já dispensa apresentações e muito menos dúvidas sobre o tipo de humor que faz. A pergunta com que recebemos Gregório Duvivier, João Vicente de Castro, Luís Lobianco e Gustavo Miranda na redação do Observador foi uma provocação. A segunda questão também, a respeito de “Portátil”, o espetáculo de improvisação que vão apresentar de norte a sul do país até 23 de dezembro. As respostas a estas e a outras perguntas estão no vídeo em cima, que vale a pena ver até ao fim. As datas completas estão mais abaixo.

Gustavo Miranda é o menos conhecido dos quatro e é natural que assim seja. O colombiano radicado no Brasil não faz parte do Porta dos Fundos, mas foi chamado pelos três humoristas por ser um autêntico mestre na arte de improvisar (em janeiro vai dar um curso de improvisação para teatro em Lisboa).

Improvisar é a palavra de ordem dos Portátil: durante 70 minutos, eles vão estar em cima do palco sem ensaio feito nem texto decorado. O ponto de partida para a ação será dado pelas respostas de um elemento do público, que se torna assim coautor da trama. E porque as histórias de cada pessoa são diferentes, não há um espetáculo dos Portátil igual ao anterior.

portatil porta dos fundos

Da esquerda para a direita: Gustavo Miranda, Luís Lobianco, Gregório Duvivier e João Vicente de Castro

Se não conseguiu assistir à primeira amostra dos Portátil, em Braga, esta quinta-feira, tem ainda sete oportunidades para se redimir (bilhetes entre os 18 e os 25 euros). Eis as próximas datas:

Dia 18: Teatro José Lúcio da Silva, Leiria, às 21h30
Dia 19: Teatro Aveirense, Aveiro, às 21h30
Dia 20: Teatro Gil Vicente, Coimbra, às 18h00 e 21h30
Dias 21 e 22: Aula Magna, Lisboa, às 21h30
Dia 23: Casa da Música, Porto, às 19h30 e 22h00