O Presidente alemão, Joachim Gauck, criticou hoje, na sua mensagem tradicional de Natal, os ataques racistas contra os centros de refugiados e exigiu um “debate aberto” sobre uma solução de acolhimento duradoura para os que pedem asilo.

“Os incêndios causados e os ataques a pessoas indefesas merecem a nossa repulsa e devem ser castigados”, assinalou, num discurso previamente gravado e cedido à imprensa alemã. Para o chefe de Estado, é necessário debater a forma como será enfrentada a chegada em massa de pessoas que pedem asilo à Alemanha, em termos de integração e bem-estar geral. À Alemanha já chegaram, este ano, um milhão de pessoas.

“As diferenças de opinião não são um incómodo para a convivência, mas uma parte da democracia”, sustentou Gauck, na gravação que será transmitida na televisão.

Para Joachim Gauck, a Alemanha revelou valores positivos no modo como acolheu os migrantes, como boa vontade, profissionalismo e capacidade de improviso, sendo que os milhares de voluntários são “a cara de um país bem-intencionado e humano”.

O Presidente alemão disse, em setembro, que a “capacidade de acolhimento” do país “é limitada”, o que supõe um “dilema fundamental” perante o direito universal de asilo.