Rádio Observador

Governo

António Costa: “É possível reverter o empobrecimento, cumprir a Constituição”

1.914

Num artigo de opinião, Costa elenca as medidas já aprovadas, destacando a supressão ou redução da sobretaxa do IRS, e afirma que o Orçamento vai mostrar que "é possível reverter o empobrecimento".

Sobre a concertação social, Costa diz que é necessário chegar a "um acordo de concertação estratégica, a par com o desbloqueamento da contratação coletiva”

ETIENNE LAURENT/EPA

O Governo vai demonstrar no Orçamento do Estado para 2016 que “é possível reverter o empobrecimento, cumprir a Constituição” e “garantir finanças públicas equilibradas”, afirma o primeiro-ministro, António Costa, num artigo de opinião divulgado, este sábado, no Diário de Notícias.

No artigo que assina, com o título “Ano novo, tempo novo”, António Costa diz que o Orçamento do Estado de 2016 será apresentado nas “próximas semanas” e afirma que o ano que agora começa será marcado pela “urgência de relançar a economia portuguesa e de recuperar as fraturas sociais da austeridade, de combate à precariedade”.

“Mas a este tempo de urgência junta-se uma visão estratégica de reforço da cidadania, modernização da economia e do Estado, de desenvolvimento do país que assentará nos pilares do conhecimento: a cultura, a ciência e a educação”, afirma.

António Costa faz uma “primeira prestação de contas da governação”, enumerando as principais medidas do executivo do PS, que tem o apoio no parlamento do BE, PCP e PEV, desde a posse, a 26 de novembro de 2015.

O chefe do Executivo refere que “a prioridade foi marcar a mudança de rumo” e “inaugurar um tempo novo para Portugal, alicerçado em mais crescimento, melhor emprego e maior igualdade”, destacando a “supressão ou a redução da sobretaxa de IRS, já em janeiro, para os quatro primeiros escalões, medida que beneficiará mais 1,6 milhões de famílias, e a sua eliminação integral a partir do próximo ano”.

Refere também que os funcionários públicos verão os cortes nos vencimentos “totalmente eliminados ao longo do ano”, sendo-lhes “devolvidos 40% dessa redução, já a partir deste mês”.

António Costa salienta igualmente o aumento do salário mínimo nacional para os 530 euros, numa evolução progressiva ao longo da legislatura, até aos 600 euros, e a aprovação da reposição do valor do rendimento solidário para idosos e do valor de referência do rendimento social de inserção.

“Com estas medidas, aprovadas nos primeiros 20 dias de governação, procuramos interromper o caminho de empobrecimento e retrocesso social que as políticas de austeridade impuseram aos portugueses nos últimos anos e afirmar uma nova visão para o país, uma visão assente numa economia mais forte e sustentável”, afirma.

O chefe do Executivo socialista diz também que Portugal precisa de “empresas fortes, saudáveis e competitivas” para o relançamento da economia, salientando medidas como o “pagamento de cem milhões de euros de fundos comunitários nos primeiros cem dias de governo”. Sobre o sistema financeiro, e sem se referir aos recentes desenvolvimentos referente ao banco Banif, Costa refere “a importância da estabilização do sistema financeiro, que com evitável dramatismo foi necessário enfrentar e que importa consolidar”.

António Costa refere que “também é necessário concretizar, ao nível da concertação social, um acordo de concertação estratégica, a par com o desbloqueamento da contratação coletiva”.

No texto que assina no DN, António Costa recorda ainda a aprovação da lei de adoção de crianças por casais do mesmo sexo e a revogação da alteração à lei da interrupção voluntária da gravidez “imposta pelo anterior executivo” da coligação PSD/CDS-PP.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins
133

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)