O piloto português Carlos Sousa (Mitsubishi) teve hoje vários problemas na segunda etapa do rali de todo-o-terreno Dakar2016, atrasando-se mais de duas horas e precisando que o seu carro fosse rebocado até ao final. Em 84.º na tirada, a 2.03.50 horas do francês Sebastien Loeb (Peugeot), vencedor do troço de 387 quilómetros entre Villa Carlos Paz e Termas de Río Hondo, Carlos Sousa só terminou rebocado por outro Mitsubishi, do brasileiro João Franciosi.

“Foi um dia em que tudo correu mal… Logo ao km 48, gripámos a poli da bomba de água e estivemos cerca de 30 minutos parados para conseguir remediar este problema, embora ficando sem direção assistida no carro”, começou por explicar na sua página de Facebook o piloto português. No primeiro ponto intermédio era já 107.º, com um atraso de 22 minutos, vindo depois a subir um pouco na geral, para passar em 62.º no sétimo e penúltimo ponto intermédio.

“Foi um esforço tremendo, mas a 80 km do final, o azar voltou a perseguir-nos. Numa zona relativamente lenta do percurso, o carro desligou-se e não mais voltou a funcionar. Viemos até ao fim da especial rebocados pelo nosso colega de equipa, João Franciosi, e vamos agora tentar chegar até ao acampamento para percebermos se é possível continuar…”, disse. Carlos Sousa equaciona mesmo a possibilidade de ser forçado a desistir: “Não sabemos se é apenas um problema elétrico ou se é algo mais grave. Enfim, é triste mas o Dakar é mesmo assim….”. A duas semanas de completar 50 anos, Carlos Sousa é dos pilotos mais experientes em prova, participando no Dakar desde 1996, com 11 classificações de top-10, a melhor das quais um quarto lugar em 2003. Nesta edição, começou em 18.º, no prólogo, a 21 segundos do mais rápido.