FC Porto

Qu’ils mangent de la brioche! Mas nem “brioches” Lopetegui tem mais para dar

114

Maria Antonieta terá sugerido à França, a definhar, que, à falta de pão, comesse um brioche. À falta de vitórias (e títulos) no FC Porto, Lopetegui sugere uma mão-cheia de nada. Antes um briochezinho.

Leonel de Castro/Global Imagens

A segunda parte contava já setenta e seis (longos) minutos de marasmo.

O FC Porto atacava muito. A redondinha mal se lhes descolava das botas, aos de camisola azul-e-branca. Mas não atacava bem. Nada bem. Era tudo um trouxe-mouxe, com cruzamentos e mais cruzamentos para a molhada, na esperança, talvez, que um desvio, com a cabeça, o pé ou até a mão de Deus, de Vata ou outra, fizesse o golo da vitória. Não fez. E a redondinha, essa, a tal que Lopetegui — qual Guardiola (é curioso que os dois partilharam o balneário no Barça de Van Gaal) de Asteasu, no País Basco – quer à força de circulá-la ter por sua, raramente deu uma voltinha à área do Rio Ave – as que deu, deu-as longe da baliza de Cássio e, portanto, do golo.

Julen Lopetegui exasperava, calcorreando a área de lés a lés, entre um berro e outro para o relvado. Esbracejava e esperneava. Mas como berrando não havia quem lhe ligasse patavina, deitou então o indicador e o polegar aos lábios, assobiando. E nada. Ninguém o escutou. O estádio do Dragão não o apupou uma só vez – nem aquando do empate do Rio Ave. Era um homem só.

Com os tais setenta e seis minutos de jogo, o lateral Edimar esquiva-se pela esquerda, deixa Maxi Pereira (que não é de ser ultrapassado em contra-pé) a vê-lo passar e cruza para a área. Yazalde e Kizito, os avançados vila condenses, nem eles tiveram pernas para a correria desenfreada de Edimar, e vinham longe demais para desviar o cruzamento. Mas Herrera sentiu um vulto nas suas costas, depois outro e cortou, atabalhoadamente, a bola para fora. Canto. Quando se voltou, deitou os olhos à relva, envergonhado – os vultos eram, afinal, os de Martins Indi e Marcano.

I Liga : FC Porto vs Rio Ave FC

(Créditos: Ivan del Val/Global Imagens)

Lopetegui viu tudo no banco. De pé. Não se lhe escutou um só berro ou assobiadela, nem se lhe avistou um esbracejo, nem um esperneio, nada. Agachou-se, pegou na garrafa de água que tinha à beira dos pés, deu um gole, depois outro, e calado permaneceu até perto do fim. O rosto disse tudo o que Lopetegui não disse. E não é preciso ser-se um tal de Cal Lightman (da série “Lie to Me”) para entendê-lo. Não era o rosto de alguém exasperado como era instantes antes. Era o rosto de alguém que não sabe mais o que fazer para mudar o imutável.

Começavam a escutar-se os primeiros assobios ansiosos no Dragão.

E Lopetegui reagiu. A tática, até aí um 4-3-3, virou a tática da salgalhada, com três centrais – sendo que um deles foi o “matulão” do Maxi –, três médios-centro, coladinhos que só eles, dois extremos abertos nas alas e dois avançados-centro fechados ao meio. Não resultou. E o FC Porto empatou em casa com o Rio Ave. Pior: viu o Benfica colar-se a si e o Sporting afastar-se, a quatro pontos. Pior ainda: Lopetegui, ainda na disputa da Liga, ainda na da Taça de Portugal, quase, quase fora da Taça da Liga, definitivamente fora da Liga dos Campeões – disputará a Liga da Europa na sua vez –, Lopetegui não dá sinais de que vá vencer tudo o que ainda tem por vencer. Antes pelo contrário.

Pinto da Costa não tem por hábito, nem sob pressão – recentemente, segurou Vítor Pereira e deu-se bem, por exemplo; com Paulo Fonseca nem tanto –, fazer cair o treinador tão cedo, ainda que tudo pareça ruir à sua volta. Despedi-lo antes do fim é admitir que contratá-lo foi um erro. E a margem de erro no FC Porto, onde vencer é o pão nosso de cada dia – ou era; em 2014/2016 não tocou num só troféu, o que não se via nem vivenciava à décadas –, é pouca.

23511210

(Créditos: Leonel de Castro/Global Imagens)

Os adeptos têm fome de títulos como a França setecentista de Luís XVI tinha fome de pão e de tudo. Maria Antonieta, a rainha, luxuriante, sugeriu (ou não; serve-nos a verdade ou o engano histórico para compará-los, Antonieta e Lopetegui) aos franceses a definhar que, à falta de pão, comessem brioches. Lopetegui, à falta de futebol melhor, de títulos, nem brioches (e entenda-se “brioches” como vitórias: nas últimas três partidas perdeu com o Marítimo, com o Sporting e empatou com o Rio Ave) tem para dar. Maria Antonieta tinha tudo: riqueza, vestidos, excessos, tudo à grande e à francesa. Lopetegui tem o plantel que quis, livrou-se no plantel de quem não quis – e que falta não faria um líder como Quaresma e um abre-latas como Quintero neste FC Porto sem rei nem roque –, mas, como a rainha de França, esbanjou tudo. A cabeça de Maria Antonieta perdeu-se. Literalmente. A de Julen, não. Até quando?

Na Rússia sabe-se à boca cheia que André Villas-Boas não continuará no Zenit. E sabe-se dele, Villas-Boas, que a cadeira do Dragão é a sua “cadeira de sonho”. Sabe-se também, nos corredores do Dragão, não desbocadamente mas em surdina, que é ele o favorito de Pinto da Costa para substituir o basco Lopetegui no banco. Os contactos exploratórios já começaram, aliás. O investimento será avultado. Villas-Boas não é mais o treinador que Pinto da Costa foi recrutar à Académica, surripiando-o ao Sporting à última da hora. Mas se há que vencer, dê lá por onde der, há que investir – como o Sporting fez com Jesus; se com retorno ou não, em maio se verá. Mas a chegar – e se é que chega –, André só chegará no verão. Lopetegui dificilmente resistirá até lá.

Hoje, às portas do Dragão, tal como em 1793, às portas de Versalhes, pedem-se culpados, cabeças. Se a de Lopetegui rolar, certamente Luís Castro, o treinador dos BB, substitui-lo-á. O FC Porto B vence, é líder da II Liga, convence, é ofensivo, marca golos em barda, de toda a espécie e feitio, algo que nos AA não se vê.

Um coisa é certa: o adiós a Julen Lopetegui está por dias – ou serão horas? Domingo há dérbi com o Boavista, no estádio do Bessa. A dúvida é perceber quem se sentará no banco visitante, se Lopetegui, se Castro — ou, mesmo que provisoriamente, um dos adjuntos lusos do espanhol, no caso Rui Barros. Sentando-se (ainda) Lopetegui, qualquer resultado que não a vitória, qualquer exibição que não a melhor, é despedimento na certa. O problema é que despedir Lopetegui, de forma unilateral e sem acordo, custaria à SAD do FC Porto 4,5 milhões de euros. O treinador basco aufere três milhões de euros (brutos) por época. Assim, o valor a pagar deverá ser 1,5 milhões pelo que falta até ao verão e mais três milhões pela próxima temporada, num acordo que termina em 2016/17.

Aguardemos pelos ventos que sopram do Dragão. O mais provável é que o casamento dê em divórcio e Lopetegui vá soprado para Espanha na ventania. E que bom vento seria, regozijam-se os portista nas bancadas, ainda de lenço branco e esvoaçante na mão e pulso a doer da tendinite.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)