Rádio Observador

Terrorismo

Ataque no Burkina Faso: Morte de segundo português por confirmar

O Ministério do Interior do Burkina Faso, Simon Compaore, avançou que morreu um segundo português no ataque terrorista na capital do Burkina Faso, segundo a AFP. Mas Governo português não confirma.

WOUTER ELSEN/EPA

Autores
  • Elsa Araújo Rodrigues
  • Hugo Tavares da Silva
  • Pedro Esteves

O Ministério do Interior Simon Compaore, citado pela AFP, afirmou que há dois portugueses entre as 29 vítimas do ataque terrorista em Ouagadougou, no Burkina Faso. Contactada pelo Observador, a Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas avançou que ainda não há confirmação oficial de que haja uma segunda vítima portuguesa entre os mortos, ressalvando que ainda há sete corpos por identificar.

De acordo com a RTP, a primeira vítima é um luso, de 51 anos, que vivia em França e que estava na capital do Burkina Faso ao serviço de uma empresa privada francesa. Havia ainda um outro português no interior do hotel, um consultor da União Europeia, que saiu ileso.

Segundo o Correio da Manhã, a primeira vítima é António Basto, que trabalhava na empresa de transportes Scales, em Val-d’Oise. Basto vivia em Bosc-Hyons, era casado com uma francesa e pai de três filhos, com idades entre os 31 e seis anos. Junto a António Basto morreram também dois colegas seus franceses.

A confirmar-se a seguna morte de Burkina Faso, será a quinta vítima portuguesa de atentados terroristas, conta o Expresso. Antes de António Basto, perderam a vida Maria da Glória, na Tunísia, onde viajou em junho de 2015 para homenagear a morte do marido, Precília Correia e Manuel Colaço Dias, ambos em Paris, mais exatamente no Bataclan e no Estádio de França, respetivamente, nos atentados na capital francesa a 13 de novembro de 2015.

O ataque terrorista, reivindicado pela al-Qaeda do Magrebe, matou 29 pessoas e terá deixado 150 feridas. Durante o dia de sábado, o número de países afetados por esta investida fixava-se nos 18, mas deverá aumentar com o escalar das vítimas. Sabe-se também que um norte-americano que trabalhava num orfanato está entre as vítimas. Posteriormente, um casal australiano foi raptado no norte do país, junto à fronteira com o Mali. Numa primeira fase foi comunicado que o casal seria austríaco.

No sábado, as autoridades de Burkina Faso e França anunciaram que mataram quarto terroristas e que libertaram os 126 reféns (33 feridos) do Hotel Splendid. O cerco ao Hotel Splendid foi terminado sábado de manhã, havendo ainda a suspeita de que estaria em marcha um segundo ataque a outro hotel.

Vários homens armados e de turbante entraram a disparar no Hotel Splendid e atacaram o café Capuccino, onde até terá começado o ataque, no centro da cidade de Ouagadougou, na noite de sexta-feira. O Hotel Splendid é um dos principais hotéis da capital e é frequentemente utilizado por ocidentais e funcionários das Nações Unidas.

A cadeia de televisão iTele referiu no Twitter que o ataque foi reivindicado pelo jihadistas da al-Qaeda no Magrebe Islâmico. O número preciso de terroristas ainda não foi revelado, mas testemunhas identificaram entre quatro e seis homens.

Circula nas redes sociais um vídeo que retrata o Hotel Splendid em chamas.

O embaixador francês no Burkina Faso referiu-se ao ataque no Twitter como um atentado terrorista. Ao início da noite de sexta-feira, o canal local Burkina 24 relatou tiros na Avenida Kwame Nkrumah em Ouagadougou, capital do país. “A razão por trás dos tiros ainda são desconhecidos”, acrescentou então na sua página de Facebook.

“Note-se que no início do dia, precisamente cerca das 14h, cerca de vinte homens armados atacaram uma unidade da missão da polícia numa aldeia situada a cerca de quarenta quilómetros de Tinakof e Gorom-Gorom na região do Sahel. O ataque resultou em dois mortos (um polícia e um civil) e dois feridos (dois polícias), um deles em estado grave”, lê-se numa outra publicação do Burkina 24.

Burkina Faso fica localizado na África Ocidental, onde faz fronteira com Mali, Niger, Benin, Togo, Gana e Costa do Marfim.

Atualizado às 13h05 de 17 de janeiro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)