Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Neste momento, apenas cinco radares de controlo de velocidade de Lisboa estão em funcionamento. Isso mesmo foi admitido pelo vereador do Urbanismo da Câmara Municipal de Lisboa esta quarta-feira, na reunião pública, onde Manuel Salgado foi questionado sobre o tema.

O vereador do PSD, António Prôa, afirmou que na semana passada fez um levantamento sobre os radares em Lisboa. “Apenas nove estarão em funcionamento”, disse o eleito, lamentando que “um sistema que devia cumprir uma função não a cumpre”. Em 2007, quando foram instalados 21 radares, a autarquia gastou 2,5 milhões de euros com o objetivo de reduzir a sinistralidade rodoviária. Ora, para o social-democrata, “a câmara tem sido incapaz de usar os radares” para esse efeito.

Na resposta, Manuel Salgado admitiu que há problemas no sistema de radares, que já chegou a estar completamente parado, entre 2014 e 2015. E até apresentou números mais baixos dos que os referidos por Prôa. Explicando que, recentemente, houve necessidade de escolher um novo software para os radares, o vereador do Urbanismo admitiu que, agora, “estão cinco radares em funcionamento” e outros “cinco em manutenção”.

Em 2007, a câmara instalou 21 radares de controlo de velocidade em artérias como a Segunda Circular, a Av. Infante D. Henrique, a Av. de Ceuta, a Av. da Índia e outras. Atualmente, segundo Manuel Salgado, existem apenas 17 destes equipamentos. Na reunião, o vereador do Urbanismo lembrou ainda que os radares são frequentemente alvo de vandalismo, pelo que a manutenção tem de ser constante.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR