O Príncipe Carlos tem uma faceta menos conhecida do público: a de artista. As impressões das suas pinturas (Carlos nunca vende os originais) já renderam ao futuro monarca mais de 7 milhões e meio de euros, segundo avança um negociante de arte ao jornal britânico.

As pinturas, feitas exclusivamente em aguarelas, são sempre “pintadas ao ar livre” e muitas vezes completadas apenas num dia, segundo informou a Clarence House, a residência oficial de Carlos em Londres. E têm grande importância para o herdeiro da coroa britânica, como este explicou num documentário televisivo estreado em 2013 e citado pelo The Telegraph:

Nós vamo-nos embora [morremos] (…) mas estas coisas permanecem.”

As vendas, cujo dinheiro é destinado à fundação de solidariedade do Príncipe de Gales, que se dedica a causas solidárias, começaram quando foi abordado pela dona da galeria Belgravia, situada no centro de Londres, Anna Hunter, em 1989. Esta tinha visto uma pintura do príncipe Carlos e decidiu escrever-lhe: “Escrevi-lhe uma carta sugerindo que, se os seus trabalhos se transformassem em litografias autografadas, poderiam ser vendidos para angariar dinheiro para a sua fundação de solidariedade”, contou.

Nesse natal, a sua secretária pessoal ligou-lhe, afirmando que Carlos estava “bastante interessado” na ideia e queria encontrar-se com ela. A partir daí saíram as primeiras edições das suas obras, em edições de 295 e 100 exemplares, segundo conta o The Telegraph.

As últimas três séries de litografias do príncipe Carlos foram vendidas em 2014, em edições limitadas de 100 exemplares. Uma delas já esgotou, tendo rendido ao futuro monarca perto de 328 mil euros.

Veja alguns exemplos das obras de Carlos na fotogaleria acima.