As Filipinas anunciaram hoje que pretendem proibir todos os concertos de Madonna no arquipélago, por esta ter “desrespeitado” a bandeira nacional num dos seus espetáculos realizados esta semana em Manila. A cantora usou a bandeira durante uma das músicas o que para o Governo é considerado desrespeitoso. A pena para já é a proibição de todos os concertos a partir de agora.

Durante um dos dois dias de concertos em Manila, foram divulgados vídeos de espetadores que mostram a cantora dançando no palco com a bandeira filipina sobre os ombros.

“(O palácio presidencial de) Malacanang quer proibir a vencedora dos Grammy Awards e ‘rainha do pop’ Madonna de dar espetáculos nas Filipinas por ter desrespeitado a bandeira filipina num dos seus concertos”, disse o porta-voz da Presidência, Herminio Coloma, à agência de notícias France Presse.

A lei de 1998 pune com prisão por um ano o uso da bandeira filipina num traje ou disfarce.

No Twitter, a cantora evitou a polémica, mostrou apenas fotos suas a agradecer aos fãs.

E a contar que visitou um orfanato

Esta é a segunda polémica da cantora de 57, com sucessos mundiais como “Like a Virgin”, na sua digressão”Rebel Heart” [Coração Rebelde] pelas Filipinas.

Na quarta-feira, os bispos filipinos apelaram aos fiéis para que boicotassem os seus concertos, argumentando que os mesmos são obra do diabo.

As Filipinas “e todos aqueles que amam a Deus devem evitar o pecado e as ocasiões de pecado”, escreve o arcebispo Dom Ramon Arguelles, em comunicado publicado no ‘site’ oficial da Conferência dos Bispos Católicos das Filipinas.

O arcebispo Arguelles já tinha feito uma campanha contra a visita de Lady Gaga a Manila em 2012, dizendo que também ela era emissária de Satanás.

Os bispos católicos das Filipinas, onde 80% dos habitantes são católicos devotos, são conhecidos pelo seu conservadorismo e não hesitam em dar a sua opinião sobre os mais diversos temas.

Um dia antes, o Arcebispo de Singapura tinha divulgado que não gostava de Madonna e advertiu os fiéis contra aqueles que “denigrem e insultam a religião”, a alguns dias do concerto da estrela pop na cidade-estado.