Crise dos Refugiados

O que é que Marcelo levaria na mala? Presidente apoia campanha de sensibilização

459

O Presidente aderiu à iniciativa "Se fosse eu" e desvendou o que levaria numa mala caso se visse na situação de refugiado. Saiba o que é essencial para o Presidente.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Catarina Falcão

Marcelo Rebelo de Sousa levaria “o mínimo possível” se tivesse de fugir de um conflito e fosse obrigado a procurar asilo noutro país. A campanha “E se fosse eu”, que está a decorrer esta quarta-feira em várias escolas no país, quer que os alunos portugueses se ponham na pele de refugiados e preparem as suas malas caso tivessem de abandonar o país. O Presidente e o ministro da Educação associaram-se à iniciativa.

Fotografias de família, uma Bíblia, o livro Guerra e Paz e um telemóvel (com carregador) são as escolhas do Presidente caso tivesse de fazer uma mala para fugir como refugiado de uma zona de conflito. “Se fosse eu levava o mínimo possível. Levaria alguns objetos de valor estimativo pessoal como fotografias, recordações de família”, afirmou o Presidente num vídeo para a campanha “Se fosse eu”. Marcelo Rebelo de Sousa levaria ainda uma Bíblia e um livro, possivelmente o Guerra e Paz – embora o Presidente também considere A Condição Humana, de Hannah Arendt, ou Ulisses, de James Joyce. Por último, o Presidente levaria ainda um telemóvel e carregador. “O resto é supérfluo”, declarou.

A iniciativa está a decorrer em várias escolas e pretende criar empatia junto dos mais jovens pelos refugiados que chegam à Europa e trazem apenas uma pequena mala com as necessidades mais básicas. Esta manhã, também o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, esteve numa escola e disse o que levaria consigo. Produtos de higiene pessoal, medicamentos, um agasalho, uma lanterna, o seu passaporte, um rádio e ainda as chaves de casa. “Lembro-me sempre dos judeus que saíram da Península e foram passando as chaves das casas que deixaram de geração em geração”, lembrou o ministro.

Esta campanha da Plataforma de Apoio aos Refugiados — com o Alto Comissariado para as Migrações, Conselho Nacional de Juventude e Direção Geral de Educação — foi inspirada no projeto “What’s In My Bag?” desenvolvido pelo International Rescue Comitee em colaboração com o fotógrafo Tyler Jump que fotografou o que vários refugiados conseguiram trazer quando chegaram à ilha de Lesbos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)